Publicado em Notícias | 29/10/2018 às 17:56:51


Agora permanecem a fé, a esperança e o amor!

2018-11-maos-174-800x568.jpg

"Eu ouvirei dos céus e sararei a sua terra" (I Cr 7.14)

Nos últimos dois meses antes das eleições, as redes sociais foram palcos de constantes ofensas, discussões entre pessoas defendendo seu/a candidato/a. Até o fechamento desta edição, não foi possível saber quem presidirá nosso país e governará alguns estados brasileiros. Muitos/as se identificaram como cristãos/ãs nas redes sociais, mas o discurso de ódio, muitas vezes, contradisse os valores ensinados por Jesus como um dos maiores mandamentos: “Ame ao teu próximo como a ti mesmo”. Foi assim, observando postagens, lendo a Palavra Episcopal deste mês, que nasceu o tema de capa desta edição. Para isso recorremos ao que os/as biblistas chamam de tripé da teologia de Paulo: fé, esperança e amor.

Independentemente de quem venceu as eleições, o fato é que a teologia de Paulo precisa ser colocada em prática mais do que nunca. A Igreja, por sua vez, precisa cumprir o papel de ser uma agência missionária em prol do Reino de Deus. A Bispa Hideíde Brito Torres relembra as ações dos profetas. “A igreja precisa criticar, lutar, apoiar, posicionar-se diante de ações, não de pessoas nem de partidos. Os profetas bíblicos não ficavam do lado do rei. Não ficavam do lado do povo. Eles se moviam de acordo com a voz de Deus. Isso tem sido muito difícil hoje”, disse a bispa.

Nesse período eleitoral, o que mais se viu foi oposições entre os/as candidatos/as fazendo campanhas, muitas vezes desonestas, e internautas que assumiram um partido defendendo seu/a candidato/a com unhas e dentes. Deixaram de ser cristão/ã por um instante e o que valia mesmo era confrontar-se com quem pensa diferente politicamente. Bastava uma postagem nas redes sociais com uma preferência política que as discussões se iniciavam mais acaloradas.

O amor ficou completamente de lado. O Pastor André Yuri, da Igreja Metodista em Córrego do Ouro, Santos Dumont/MG, destacou que amar quem pensa diferente é um desafio que precisa ser superado. “Jesus foi claro e contundente quando nos disse que o maior mandamento é o amor e que devemos amar o nosso próximo como amamos a nós mesmos. A maior dificuldade surge quando nos damos conta de que o nosso próximo é e pensa diferente de nós. Mas o verdadeiro amor é tolerante, respeitoso, acolhedor e inclusivo. Amar acima das diferenças é o nosso desafio enquanto discípulos/as de Jesus!”, enfatizou o Pastor André.



Apenas duas letras, mas com um significado imenso. O conceito de Hebreus diz: Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem (Hb 11.1). Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam (Hb 11.6). Apesar dos pesares, em nossa vida sempre precisamos de fé, até mesmo para adorar a Deus. A Bíblia recomenda ainda orar por aqueles/as que exercem autoridades sobre nós. Isso inclui autoridades ministeriais, ecle­siásticas e políticas como alguns exemplos.

Temos vários exemplos de fé na Bíblia. Na própria carta aos Hebreus, há um texto conhecido como Galeria da Fé. Ter fé em Jesus Cristo significa confiar sempre nEle, acreditar naquilo que Cristo pode fazer, isso inclui acreditar em seus ensinamentos e depositar nEle a total confiança.

Foi o que fez Angélica Monforte de São Bernardo do Campo/SP quando estava grávida. Na gestação, em um dos exames foi diagnosticado toxoplasmose. “O mundo caiu sobre minha cabeça e de minha família. A médica, muito ríspida, já foi logo me dizendo: ‘sua filha será surda ou cega’. Foi assustador, fiquei desesperada, mas sempre coloquei tudo nas mãos de Deus. Minha filha Natália, com 6 anos, na sabedoria dada por Deus, escolheu o nome da irmã, Gabriela, que significa ‘mulher de Deus’, ‘mulher forte de Deus’ ou ‘fortaleza de Deus’. Começou ali uma nova fase, com a espera do parto, muita oração, profunda intimidade com Deus. Gabriela nasceu e logo após o parto, em agosto de 2005, nenhuma doença foi constatada. Sou testemunha de que esse foi um milagre de Deus”, disse Angélica.

Para o Pastor de Pouso Alegre/MG, Douglas Bortone, a Igreja pode transformar a realidade da sociedade. “A lógica da sociedade não dá conta de compreender a lógica do evangelho. Acredito que se a Igreja assumir seu papel profético, ela transforma o mundo, confrontando e gerando políticas públicas em direção a Deus!”, destacou Bortone.

O Pastor Georg Emmerich, da Região Missionária do Nordeste, relata que a fé lhe ajudou a vencer na vida. “Toda minha história foi construída através da fé, a cidade em que vivi uma infância difícil em um cenário de desigualdades me ensinou a sempre confiar em Deus. Ele sempre colocou meus pés no chão trazendo mais esperança para o cenário político de nossa sociedade”, disse o pastor.

Esperança

O profeta Jeremias já alertou no livro de Lamentações (3.39): “Coloque o rosto no pó, talvez assim haja esperança”. Nesse tempo em que a economia de nosso país precisa se estabilizar, encontramos milhares de pessoas que buscam em Deus o suporte para suas vidas. Elaine Medeiros Soares, de Cariacica/ES, é auxiliar contábil, ela é uma dessas pessoas que está em busca de emprego. “Tenho fé em Deus que vou conseguir minha recolocação no mercado de trabalho. Estou há dois anos desempregada, mas a minha esperança está em Deus e no próximo presidente que possa gerar mais empregos para o nosso país”, disse ao Expositor Cristão.

Quando não há economia estabilizada, não há emprego, o povo sofre. A Igreja arrecada menos e os membros sentem-se que precisam honrar a Deus com os dízimos e ofertas. “Eu quero voltar a contribuir com minhas ofertas e dízimos. Sinto que estou deixando de cumprir meus votos com Deus”, afirmou a baiana Lucimar Barbosa de Assis. 

Especialistas do Banco Central (BC) apostam no crescimento da economia brasileira – o que vai trazer mais esperança e empregos para o povo brasileiro. No entanto, o BC reduziu de 1,6% para 1,4% a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2018. A estimativa consta do relatório trimestral de inflação, divulgado pela instituição no dia 27 de setembro. 

É a terceira vez que a expectativa de crescimento da economia brasileira é revisada. Em setembro do ano passado, o BC estimou uma alta de 2,2% para o PIB deste ano, valor que subiu para 2,6% em dezembro de 2017 e que recuou para 1,6% em junho passado. O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos no país, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira.

“A revisão reflete a incorporação dos resultados do PIB no segundo trimestre e o arrefecimento na atividade econômica após a paralisação no setor de transporte de cargas, ocorrida em maio”, informou o Banco Central. No ano passado, depois de dois anos de tombo, a economia brasileira saiu da recessão e registrou uma expansão de 1%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Amor

Quando Paulo (ou um discípulo dele) escreve aos Colossenses, ele estava preso. Essa carta é bastante parecida com uma Epístola aos Efésios, portanto, para Paulo, os/as cristãos/ãs deveriam abraçar vários fundamentos da fé cristã. O objetivo da Carta aos Colossenses era refutar, combater certa heresia que estava se infiltrando na Igreja (2,8). Ou seja, alguns falsos mestres estavam tentando fazer aparecer seus nomes na Igreja, através dos ensinamentos de doutrinas diferentes, num misto de crenças judaicas e gregas. Isso estava confundindo as pessoas daquela comunidade. Paulo se preocupa em resgatar os valores morais, éticos e da comunidade, principalmente, através do testemunho dos membros para fazer o nome de Jesus conhecido, ao contrário do que muitos/as crentes em Cristo fizeram antes das eleições, semeando mentiras e acusações nas redes sociais sobres seus/as candidatos/as preferidos/as.
No caso de Paulo, ele começa seu discurso com coragem e ousadia. Ele não se intimida de ter que chamar atenção de alguém com mais aspereza. Seu amor não o levava a agradar pes­soas, mas a cuidar do rebanho de Deus. De acordo com os ensinamentos de Paulo, três virtudes precisam ser guardadas na caminhada cristã.

O apóstolo destaca no verso 12 (cap. 3) o verbo revestir. “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade”, diz o texto paulino.

Revestir nada mais é que vestir-se de novo! Quando somos revestidos/as como eleitos/as de Deus, somos cobertos/as de misericórdia, de bondade, longanimidade, de mansidão porque somos cheios/as da presença de Deus! É o Espírito Santo de Deus que habita em nós e isso faz com que sejamos revestidos/as como eleitos/as, escolhidos/as de Deus. Percebemos que esse revestimento esteve ausente na vida de muitas pessoas no período eleitoral.

A segunda virtude apontada por Paulo é suportar (v. 13), que quer dizer sustentar, carregar. Afirma Paulo: “sustente uns aos outros. Perdoai-vos aos outros uns, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem”. 

Por último, o versículo 4 (Cap. 3) enfatiza o amor. Paulo não teve medo de recomendar essas virtudes à Igreja de Colossos, porque ele amava aquela comunidade, mesmo ao constatar no verso 3 os vícios que deveriam ser abandonados. A natureza terrena, uma impureza… insiste ele: revesti-vos como eleitos/as de Deus… suportai-vos aos outros uns… mas Paulo vai dizer: “Porém, acima de tudo isso, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição” (v. 14). O amor é a base de tudo, ou seja, da Igreja, da família, da amizade, dos relacionamentos. Paulo vai dizer em I Co 13 que o amor é maior que todos os dons, seremos nada sem amor. Onde existe amor, reina a paz.  

Pr. José Geraldo Magalhães
Publicado originalmente na edição de novembro de 2018 do Jornal Expositor Cristão impresso.


Tags: sem tags no momento!