Publicado por José Geraldo Magalhães em Artigo - 30/09/2019 às 12:35:27

Projetos sociais ajudam crianças que sofrem violência doméstica a superar os traumas

Lúcia Leiga de Oliveira | Belo Horizonte

Um projeto social nasce primeiramente de uma necessidade percebida, sentida e torna-se real pelo compromisso de pessoas com a transformação deste contexto. Para o povo metodista, no desenvolvimento de sua espiritualidade, duas atitudes devem estar presentes: atos de piedade e obras de misericórdia. Diante, de uma situação que contraria a proposta do Reino de Deus, as obras de misericórdia podem ser organizadas em projetos sociais. 

A Igreja Metodista no Brasil declarou por meio do Plano de Vida e Missão que a educação das crianças deve receber especial atenção, e principalmente aquela voltada para as camadas mais pobres. Surge, então, a necessidade de intensificar, no Plano de Ação Missionária, projetos sociais de atenção integral às crianças e aos/às adolescentes.

As crianças e adolescentes são vulneráveis a vários tipos de violência, como: física, psicológica, sexual, tanto na família como na escola, nas ruas, nas igrejas. No Anuário Brasileiro de Segurança Pública (2019) consta que 53,8% dos 66.041 registros de violência sexual foram de crianças e adolescentes até 13 anos. A casa nem sempre oferece o convívio familiar que a criança/adolescente precisa para um adequado desenvolvimento físico, emocional, espiritual, social e intelectual. 

Na convivência com as famílias dessas crianças e adolescentes, observam-se as mais diversas situações familiares. Estas expressam uma relação na qual os seus membros, por diversos motivos, não desenvolveram condições e valores que os ajudem no atendimento das necessidades básicas, afetivas, educacionais e morais para a convivência familiar. 

Entre as primeiras atitudes que os/as educadores/as devem ter é entender, enquanto agentes sociais no projeto, que a prática da violência contra as crianças/adolescentes, em qualquer situação, é um desrespeito à vontade de Deus e sentir o chamado para afirmar a responsabilidade cristã pelo bem-estar das crianças e adolescentes. Outras ações se fazem necessárias: promover a capacitação dos/as educadores/as em relação ao Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA e a todas as políticas públicas de proteção integral à criança e ao adolescente; envolver as famílias em ações que visem informar sobre as necessidades das crianças e dos/as adolescentes, esclarecendo seus direitos e normas de proteção; favorecer a vinculação das famílias em uma rede de apoio da comunidade (unidade de saúde, associação de bairros, grupos religiosos, grupo de mães); facilitar o acesso aos serviços de educação e assistência; contribuir para o fortalecimento dos laços das crianças e dos/as adolescentes com a família e amigos/as; organizar grupos de debates com profissionais de outras áreas envolvidas.

Na relação com as crianças/adolescentes é fundamental ter uma escuta atenta; ao perceber os sinais de possíveis violências, deve-se conversar com a criança/adolescente em um local com privacidade, facilitando o diálogo com perguntas abertas. Por exemplo, “como você está se sentindo?”. Deixe que fale livremente e escute sem demonstrar horror ou revolta. Evite pedir para repetir algo que já falou, mostrar ansiedade e fazer julgamentos. Nessa oportunidade, explique que ela não deve se sentir culpada e que quando quiser conversar pode procurar você. Procure não fazer perguntas para os pais ou responsáveis e principalmente checar com pai ou mãe alguma informação dada pela criança/adolescente. Evite fazer comentários dessas escutas e observações.

Uma grande consequência para o crescimento integral da criança/adolescente que vive situações de violência doméstica é o desenvolvimento de uma autoestima inadequada. Este é um dos aspectos que podem ser trabalhados de forma significativa pela equipe do Projeto. Para desenvolver uma autoestima adequada toda criança/adolescente necessita se sentir amada, valorizada e sentir-se parte de uma família, de um grupo, sentir-se aceita. Esta deve ser a proposta de trabalho de todo projeto que atende crianças/adolescentes. 

Todo projeto social precisa se envolver com as ações positivas na comunidade onde atuam, para formar parcerias visando um bom atendimento às necessidades apresentadas pelas crianças/adolescentes. O Centro de Saúde e o Conselho Tutelar podem contribuir muito no trabalho que deve ser realizado com as famílias e no atendimento às crianças/adolescentes.

A violência doméstica com crianças/adolescentes é uma realidade e é uma responsabilidade de todos nós. Quando um projeto social reconhece que a criança/adolescente é violentada/o, é preciso denunciar. De forma sigilosa procure o Conselho Tutelar que atende na comunidade, e se não houver conselho em sua comunidade, procure a Vara da Infância e da Juventude. A parceria com o Centro de Saúde é um caminho adequado. Geralmente as crianças são atendidas ali e os/as profissionais sabem como dar estes encaminhamentos. 

 

Publicado originalmente na edição de outubro de 2019 do jornal Expositor Cristão 

*Reprodução parcial ou integral deste conteúdo autorizado desde que seja citado a fonte conforme abaixo:

[Nome do repórter], Expositor Cristão (Edição outubro de 2019)


Tags: saf, artigo


Posts relacionados

Artigo, por José Geraldo Magalhães

Artigo: Os ensinamentos de Jesus sobre a oração

Jesus estava no Cenáculo com seus/as discípulos/as. Passava-lhes suas últimas instruções. Falou para eles/as sobre a Casa do Pai, a segunda vinda e a promessa do Espírito Santo. Lavou seus pés, revelou-lhes seu amor e inaugurou a nova aliança em seu sangue.

Artigo, Metodismo, Opinião, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Bíblia: sua origem, formação e revelação para a vida

Quando falamos de Bíblia e começamos a pensar em sua importância e significado para a humanidade, aguça-nos a curiosidade sobre os mistérios que envolvem sua sobrevivência e longevidade, persistindo em se manter como palavra viva de Deus.

Artigo, por José Geraldo Magalhães Jr.

Natal, o Deus conosco!

Desinstalar é mexer com a estrutura estabelecida. O Messias tem esse papel de promover mudanças, partindo do pressuposto que o nascimento do Filho de Deus acontece numa estrebaria e é colocado numa manjedoura

Artigo, por José Geraldo Magalhães Jr.

Obviedades em torno do Dia da Consciência Negra

As palavras que virão na sequência são de domínio público, pelo menos dos negros e negras. Sobre o dia da consciência negra, não há novidades, só obviedades. Parece óbvia a afirmação de que o ser humano não é só um espírito ou uma alma. Somos “espíritos ou almas viventes”.

Artigo, Reflexão, Episcopal, Opinião, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Palavra Episcopal EC outubro: Duas mães e um rei justo: quem temos sido nessa história?

O texto mencionado acima revela algumas realidades humanas que nos fazem refletir, bem como devem nos fazer reagir positivamente com santa indignação e amorosa compaixão. Temos três personagens em destaque nesta narrativa. O rei justo que existe para promover justiça e paz. A mãe que perde o filho por acidente ou descuido e a mãe que poderia ter perdido o filho por roubo.

Artigo, por José Geraldo Magalhães Jr.

O aperfeiçoamento cristão metodista

“A fé sem obras é morta”, diz o apóstolo Tiago em sua carta no segundo capítulo. Assim é para o metodismo falar, escrever, ensinar sobre a Bíblia como nossa regra de fé e de prática sem, contudo, praticá-la. O movimento wesleyano sempre primou pela experiência e é através dela que demonstra a seriedade com aquele que tão grandemente nos amou e se entregou por nós.