Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Artigo - 27/08/2019 às 14:51:21

O aperfeiçoamento cristão metodista

“A fé sem obras é morta”, diz o apóstolo Tiago em sua carta no segundo capítulo. Assim é para o metodismo falar, escrever, ensinar sobre a Bíblia como nossa regra de fé e de prática sem, contudo, praticá-la. O movimento wesleyano sempre primou pela experiência e é através dela que demonstra a seriedade com aquele que tão grandemente nos amou e se entregou por nós. 

No cotidiano, não basta saber o que é certo e praticar, não basta conhecer as leis e direitos, algo pode ser certo e direito e, contudo, não atender à ética, ou moral, ou hábito. Este conjunto de sinônimos simboliza uma vivência, uma continuidade. O/a cristão/ã é confrontado/a não só pelo que observa e preceitua, senão, também, e mais importante, pela sua própria vivência. O que costuma fazer, o hábito que permeia suas relações, a forma como atende esta ou aquela circunstância. É viver colocando Deus acima de todas as coisas. É fazer a si mesmo/a diariamente as seguintes perguntas:

Na caminhada, tenho como ferramenta algo que aprendi com os/as que já vivenciaram algo parecido? Experiência.

Tenho como balizar minhas atitudes e ações pelos princípios de fé aprendidos? Tradição.

Sou capaz de racionalizar cada objeto do meu caminhar, não vivendo somente pelas emoções sem, contudo, as desprezar? Razão.

Consigo perceber a extensão de minhas atitudes e escolhas na natureza que me cerca, ou antes, no meio ambiente? Natureza.

Preocupo-me em como minha vivência retrata a comunidade na qual estou inserida?

Uma boa forma de constatar tudo isso é ter a Palavra de Deus tão entranhada que ela não falte como elemento de aferição em cada ato. Que a Bíblia sirva para constatar a prática comum como uma experiência constante de uma fé madura e transformadora. É olhando cada ser como sendo um igual. É caminhando e observando cada feito da criação, como nós, sendo participantes dela e, portanto, responsáveis pela preservação.

É ouvindo atentamente cada parte, sem julgar ou buscar precedente na tentativa de estabelecer culpados e culposos, atribuindo o grande e generoso amor de Deus como um presente à humanidade. É considerando cada ato e reação à luz da ética, e não somente do que é direito, não condenando os/as que assim não o fizerem. É compreendendo que a cada prática nos rendemos mais à conquista de uma relação infinita de transformação do que era ao que somos e ao que podemos nos transformar. Assim é o aperfeiçoamento cristão de um/a metodista através da experiência e prática. 

Mary de Fátima Santos Agostinho
Pastora na Igreja Metodista em Araras/SP

/// Referências:
ALMEIDA, J.Ferreira-  Bíblia Sagrada.
PRAM- Plano Regional de Ação Missionária – Igreja Metodista 5ª Região Eclesiástica

Publicado originalmente na edição de setembro do Expositor Cristão


Posts relacionados

Artigo, Metodismo, Opinião, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Bíblia: sua origem, formação e revelação para a vida

Quando falamos de Bíblia e começamos a pensar em sua importância e significado para a humanidade, aguça-nos a curiosidade sobre os mistérios que envolvem sua sobrevivência e longevidade, persistindo em se manter como palavra viva de Deus.

Artigo, por José Geraldo Magalhães Jr.

Obviedades em torno do Dia da Consciência Negra

As palavras que virão na sequência são de domínio público, pelo menos dos negros e negras. Sobre o dia da consciência negra, não há novidades, só obviedades. Parece óbvia a afirmação de que o ser humano não é só um espírito ou uma alma. Somos “espíritos ou almas viventes”.

Artigo, por José Geraldo Magalhães

Projetos sociais ajudam crianças que sofrem violência doméstica a superar os traumas

Um projeto social nasce primeiramente de uma necessidade percebida, sentida e torna-se real pelo compromisso de pessoas com a transformação deste contexto. Para o povo metodista, no desenvolvimento de sua espiritualidade, duas atitudes devem estar presentes: atos de piedade e obras de misericórdia.

Opinião, Artigo, por José Geraldo Magalhães Jr.

Artigo: O colo que ensina

Certa vez, Jesus ensinava (Marcos 10.13-16) em casa. Então, lhe trazem crianças para que as “tocasse” (10.13). Os discípulos, porém, as repreendem. “Repreender” é a mesma palavra usada pelo Mestre contra a tempestade (Marcos 4.39) e espíritos impuros (Marcos 1.25).

Artigo, Episcopal, Opinião, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Momento, prática e vida: a plenitude da devoção na caminhada cristã

Temos uma tendência muito humana em medir a qualidade de nosso relacionamento com Deus com base em como nos sentimos com maior ou menor propensão a momentos devocionais com Ele. 

Artigo, Reflexão, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.