Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Artigo | 10/12/2019 às 11:53:24


Natal, o Deus conosco!


O nascimento do Messias

Desinstalar é mexer com a estrutura estabelecida. O Messias tem esse papel de promover mudanças, partindo do pressuposto que o nascimento do Filho de Deus acontece numa estrebaria e é colocado numa manjedoura, ou seja, num cocho, onde era colocado o alimento para os animais. Aqui já acontece o processo de desinstalar a ostentação, a religiosidade e a indiferença espiritual da nação de Israel com Deus. O Messias nasce num lugar impróprio, porém cheio de graça e glória. Esse não seria o lugar para receber a manifestação do Filho de Deus no mundo. Com o seu nascimento, o Messias dá o tom de uma grande revolução! A partir daí, a humanidade iria ver, sentir, ouvir e provar do amor extraordinário de Deus. “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória como do unigênito do Pai” (João 1.14).

Não houve lugar para Ele, senão na estrebaria

Você levaria a sua esposa grávida para dar à luz num curral? Existe uma explicação lógica de que a cidade era minúscula, muitas famílias convergiram para lá em obediência à ordem do imperador para fazer o recenseamento. Hoje não é diferente. Muitos/as estão ocupados/as com os seus projetos, estudo, trabalho, desejos, prazeres, e na agenda pós-moderna não tem lugar para o Messias, o Cristo, o Ungido, o Filho de Deus.

“E o Verbo se fez carne e habitou
entre nós, cheio de graça e de
verdade, e vimos a sua glória 
como do unigênito do Pai”

O Messias, o Deus conosco veio habitar entre os homens

O Cristo é o Deus de perto, do relacionamento, da comunhão que chama todas as pessoas para o convívio com o Pai Celestial. Na contramão de uma sociedade metálica, fria, materialista e egoísta está Jesus nos chamando para vivermos um novo estilo de vida, trazendo uma proposta de comunhão, de estarmos mais próximos dEle. Diante desse quadro surge a pergunta: o Messias está reinando em nosso coração? “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (Deus conosco)” (Mateus 1.23).

O Messias nasce como o Deus maravilhoso

As maravilhas de Deus são manifestadas ao mundo no poder da graça salvífica de Cristo. “Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” (Tito 2.11). O Messias é a graça maravilhosa que veio do céu derrubando as paredes do preconceito, do ódio, da injustiça que causava separação entre o homem e Deus. A graça de Cristo chama homens e mulheres para o arrependimento, para serem libertos/as do pecado e viver no reino do seu amor.

O Messias nasce como príncipe da paz

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6). A paz tem sido um tema pregado e desejado pelas nações! A paz é uma dádiva do Reino do Messias, e essa paz excede todo entendimento humano, pois somente o Espírito de Deus pode encher os corações vazios, mentes perturbadas carentes do amor de Cristo. Jesus disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14.27). O verdadeiro Natal é o Deus conosco, o Deus Maravilhoso, é a graça divina, é o amor que veio do céu para reinar em nosso coração. Isso é que é Natal! Celebre o Natal com sua Igreja, seus/as familiares, amigos/as e vizinhos/as, mas com espírito fraterno de alegria, paz e amor do Messias. 


Bispo Fabio Cosme da Silva

Presidente da Região Missionária da amazônia

 

Veja tabém a poesia de Onofre José de Freitas publicada na edição de dezembro!

NATAL - ENCONTRO

Onofre José de Freitas

Hoje vim a sua festa de Natal.
Quase trouxe comigo
alguém que encontrei na praça,
maltrapilho, faminto, triste, solitário.
“Hum morador de rua”.
Mas talvez você não o recebesse.
Eu também sou de origem
simples, humilde, pobre.
Minha mãe uma camponesa,
natural da Galileia – MARIA.
Se você procurar entre meus ancestrais
vai encontrar Raabe,
que talvez não a receba em sua casa.
Nasci em Belém de Judá,
cidade com poucos recursos.
As hospedarias estavam cheias.
Meu primeiro abrigo foi uma estrebaria.
Logo fui levado para o Egito,
para não morrer com os filhos de Raquel.
Voltando a Galileia morei em Nazaré.
Trabalhei na carpintaria com meu Pai – José
para ajudar as despesas da casa.
Quando descobriram que vim de Deus,
expulsaram-me da cidade.
Nunca mais tive um lar.
Às vezes durmo ao relento.
Rejeitado pelos judeus, fui crucificado.
Ressuscitado, vivo batendo de porta em porta.
Às vezes sou recebido, às vezes não.
Teólogos e pregadores
colocaram-me num céu distante,
à “direita do Pai”.
Na verdade, eu estou no mundo.
Foi para o mundo que eu vim.
Quero sofrer suas dores.
Quero chorar suas lágrimas.
Quero participar de momentos felizes, como este.
Quero brincar com as crianças,
gritar: “Feliz Natal, Feliz Natal!”
Quero dar e ganhar presentes. 
Não importa se numa casa. 
Não importa se num templo.
Não importa se num terreiro.
Quero estar com você 

ESTAMOS JUNTOS
JESUS.

 

Publicado originalmente na edição de DEZEMBRO de 2019 do jornal Expositor Cristão 

*Reprodução parcial ou integral deste conteúdo autorizado desde que seja citado a fonte conforme abaixo:

[Nome do repórter ou autor do artigo], Expositor Cristão (Edição dezembro de 2019)


Tags: sem tags no momento!