Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Episcopal | 06/02/2020 às 18:40:31

Quaresma: tempo de preparação!

É importante haver um entendimento litúrgico do significado da palavra “quaresma”, pois esse entendimento vai nos ensinar a não somente identificar o significado, mas também o seu sentido espiritual. A palavra “quaresma” vem do latim “QUADRAGÉSIMA”, que significa o período de 40 dias entre o Carnaval (Quarta-feira de Cinzas) e a Páscoa. É comum nesse intervalo a prática do jejum e da penitência pelos/as católicos/as, preparando-se para comemorar o renascimento de Jesus.

A origem da palavra deriva-se do latim e era usada no início das frases, um simples adjetivo que dizia: “Quadragésima die Christus pro nobis tradétur”, ou seja, “Daqui a 40 dias (no quadragésimo dia), Cristo será entregue por nós”, para a salvação. Portanto, é o período de 40 dias no qual se realiza a preparação para a Páscoa, que celebra a Ressurreição de Jesus Cristo, evento principal da fé cristã.

Nesse período de quaresma que começa na “quarta-feira de Cinzas” e termina na “quarta-feira da Semana Santa”, somos convidados/as como cristãos/ãs a confrontar nossa vida e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos, aprofundando, assim, a nossa compreensão da Palavra de Deus e identificando práticas e princípios essenciais da nossa fé.

"Quando jejuardes, não façais um rosto sombrio como os hipócritas, que desfiguram o rosto para fazer o povo ver que estão jejuando. Asseguro-vos que já receberam seu pagamento. Quando jejuares, perfuma a cabeça, lava o rosto, de modo que os homens não percebam teu jejum, mas somente teu Pai, que está escondido; e teu Pai, que vê o escondido, te pagará” (Mateus 6.16-18)

A Quaresma surgiu por volta de 350 d.C., pois anteriormente o tempo de preparação para a Páscoa era de 3 dias, e passou a ter uma preparação de 40 dias, pois 3 dias eram insuficientes para se preparar. O número 40 é bastante significativo dentro da Bíblia: o dilúvio durou 40 dias e 40 noites; durante 40 anos o povo hebreu caminhou no deserto rumo à terra prometida; os/as habitantes da cidade de Nínive fizeram 40 dias de penitências antes de receberem o perdão de Deus; o profeta Elias caminhou 40 dias e 40 noites para chegar à montanha de Deus; Moisés jejuou durante 40 dias e 40 noites no monte; Jesus Cristo jejuou 40 dias e 40 noites; portanto, 40 é um número com muito significado para os/as cristãos/ãs, pois é um tempo de preparação para acontecimentos marcantes na história da salvação.

Para nós, protestantes, Quaresma também tem importância e significado que não podemos de forma nenhuma menosprezar. Quaresma é um tempo de jejum e arrependimento. Nós não guardamos a Quaresma no mesmo sentido que os/as católicos/as fazem para obter a salvação, pois cremos que “somos salvos pela graça”, e não por obras humanas. 

Nós, protestantes, devemos utilizar esse tempo e tantos outros para meditar, refletir, pensar mais em nossa relação com a Cruz de Cristo, que tem sido tão esquecida pelos/as “evangélicos/as”, pois, para muitos/as, “a mensagem da cruz é loucura para os que se perdem; para os que se salvam é força de Deus” – 1 Coríntios 1.18. 

O tempo de jejum, santificação e oração não é para gerar mérito, mas para nos tornarmos mais humildes, menos prepotentes, menos hipócritas, menos religiosos/as e mais cristãos/ãs, menos orgulhosos/as, menos malignos/as e mais dados/as a um coração onde exista a presença do perdão, da paz e do amor verdadeiro de Jesus Cristo pelo nosso próximo.

É muito importante o tempo de preparação não somente para a Páscoa, mas para qualquer outro momento significativo na história do povo de Deus e na vida e missão de Jesus Cristo o seu Filho Amado, pois hoje identificamos muita superficialidade e rasura na vida da maioria de nós, cristãos/ãs, em especial, nós, metodistas. Vida cristã é algo sério!

Tenhamos todos e todas um tempo de preparação, de oração e jejum, de aprofundamento na Palavra de Deus para celebrarmos nossas caminhadas litúrgicas em 2020.

Em Cristo!

Bispo Roberto Alves de Souza
Presidente da 4ª Região Eclesiástica


/// BIBLIOGRAFIA:
1- BAZAGLIA, Paulo, Coordenação Editorial Brasileira, A BÍBLIA DO PEREGRINO, Paulus, São Paulo, 2018.
2- WIKIPÉDIA, Enciclopédia Livre.


Publicado originalmente na edição de FEVEREIRO de 2020 do jornal Expositor Cristão 

*Reprodução parcial ou integral deste conteúdo autorizado desde que seja citado a fonte conforme abaixo:

[Nome do repórter ou autor do artigo], Expositor Cristão (Edição dezembro de 2019)

 


Tags: episcopal