Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Opinião, Episcopal, Liderança - 29/01/2019 às 10:19:32

Palavra Episcopal: Santuários no Brasil

Todo novo dia é também um novo ano. Sob que perspectiva? Sob a de que um novo ano se faz do somatório de sequência de um novo dia. Os dias fazem os anos, portanto são constantes oportunidades de prosseguimento e/ou de recomeço. Por conseguinte, cada novo amanhecer será sempre sinal do amor de Deus por nós, que se renova a cada dia. Sendo assim, diariamente podemos esperar (esperança) que a humanidade seja alcançada pelas boas-novas de salvação. E cada pessoa alcançada passa a ser discípula de Cristo, gerando muita alegria no céu.

I. “… EDIFIQUEI UMA CASA…”  – 1 Rs 8.1-21
Um dos anseios do povo de Deus, nos tempos de Davi e Salomão, era a construção de um local para adoração. O rei Davi sentiu-se animado a construir um santuário, mas Deus disse a ele que não o fizesse. Davi ouviu ao Senhor e abdicou dessa intenção. Só com Salomão, filho de Davi, é que o templo foi construído. Cada detalhe do templo, cada aparato, cada cortina, cada móvel e compartimento foram especificados por Deus e seguidos pelos construtores. Ao término da construção a alegria foi grande. A população sentia-se fortalecida, por sentir-se segura no seu relacionamento com Deus. Afinal, segundo pensava, Deus agora estaria num local específico, em endereço certo, no Santo dos Santos (local privativo aos/às sacerdotes/isas, onde Deus se revelava a eles/as, transmitindo-lhes Sua vontade) e aben­çoando a todos/as. A população, para sua espiritualidade, dependia diretamente dos/as sacerdotes/isas, já que Deus falava especificamente a eles/as. Assim o povo se organizou religiosamente. Entretanto, essa espiritualidade permitia a dicotomia entre o profano e o sagrado, ou seja, possibilitava que o serviço a Deus se desse nos limites do templo, e não no dia a dia. O resultado não poderia ser outro: mesmo cumprindo muitos preceitos da lei, voltados ao templo, ainda assim não conseguiam ser santuá­rios vivos do Deus Vivo. Edificou-se uma casa ao Senhor, mas não se edificou um povo cuja prática de fé revelasse o amor de Deus. 

II. SANTUÁRIOS HABITADOS PELO ESPÍRITO – 1 Co 3.16
Todos/as sabemos qual foi a providência tomada por Deus (principalmente porque celebramos o nascimento de Jesus há poucos dias). Decididamente, por puro amor, Deus decide cumprir Ele mesmo o Seu desejo: reaver a amizade com o mundo que Ele criara (Cl 1). O templo não lhe cabia (nunca coubera, na verdade). Era preciso alcançar todo o mundo criado. Deus, então, vem como homem e, ao mesmo tempo, como santuário ambulante pleno. E a única razão é exatamente AMOR ÀS VIDAS. Deus maravilhoso!

Afirma a Bíblia que cada pessoa alcançada por Jesus torna-se uma nova criatura. Ela se dá conta da relação entre o Deus Criador e a humanidade. Caem-lhe as escamas dos olhos e enxerga o propósito divino para nossa vida neste planeta. 

Esta nova visão gera mudança de mente, de coração e de alma. O primeiro amor por Jesus manifesta-se grandemente nessas novas criaturas. Atraídos/as pelo poder do evangelho da cruz, abnegam-se do fruto da carne e anseiam pelo fruto do Espírito. Suas vidas são a própria Igreja onde quer que tais pessoas estejam. São, afinal, aquilo que a Bíblia diz: santuários de Deus (1 Co 3.10-17) movendo-se por toda a terra. A vida de fé não se limita aos templos: “… o mundo é a paróquia” das discípulas e dos discípulos. 

Jesus, o próprio Deus, mostra o que é crer e o que é viver a fé. Ele é a Nova Aliança de Deus com o mundo caído. Agora sim: em Cristo se constrói um novo santuário (discípulas e discípulos) habitado pelo Espírito Santo. 

III. SANTUÁRIOS NO BRASIL
Ano novo, realidade nem tanto nova. Ano novo e renovos. Ano novo e tempo de novo governo. Ano novo e clamores do Brasil: honestidade, pão para todos/as, moradia decente, ruas iluminadas, direito cidadão garantido, segurança ao andar pelas ruas, escolas para todos/as, redução de atos de violência (seja ela moral, de gênero, religiosa, patrimonial etc.). Diante desses grandes desafios, que são sinais visíveis do distanciamento de Deus, o Senhor nos envia como SANTUÁRIOS HABITADOS PELO ESPÍRITO SANTO. Esses santuários precisam andar como Jesus andou, amar como Jesus amou, perdoar como Jesus perdoou, amar os/as doentes (seja de alma, do físico, do moral, da ética, da religiosidade etc.) como Jesus os/as amou. Enfim, ser santuário de Deus tal como Jesus o foi. Que facilitemos a visibilidade da Luz que está em nós. Só assim o novo ano será realmente novo para o nosso Brasil e para o mundo em que vivemos.

Publicado na edição de fevereiro de 2019 do Jornal Expositor Cristão impresso.


Tags: palavra-episcopal, santuario,


Posts relacionados

Episcopal, Metodismo, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Palavra Episcopal: caminhando e cantando

Você se recorda do relato da caminhada dos discípulos de Emaús, no capítulo 24 de Lucas, a partir do versículo 33? Esse texto sempre me impressiona.

Nacional, Episcopal, Notícia, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Colégio Episcopal Homenageia Simei Monteiro em primeira reunião do ano

Iniciou na tarde de terça-feira a reunião plena do Colégio Episcopal da Igreja Metodista nas dependências da Sede Nacional da instituição, em São Paulo.