Publicado por José Geraldo em Notícias, Igreja e Sociedade, Política, Conscientização, Direitos Humanos | 30/09/2019 às 11:29:42


Metodistas investem tempo e dinheiro em Comunidade Terapêutica


José Geraldo Magalhães | EC | São Paulo

Projeto atende de 28 a 35 internos/as atualmente e recebeu o título de utilidade pública do município. Fotos acervo CTBN

Benedito Galvão de França Neto tem 74 anos. Formação? Agronomia e membro da Igreja Metodista em São José dos Campos (IMSJC), no interior de São Paulo. Ele visitou o projeto Comunidade Terapêutica Boas Novas no dia 17 de fevereiro de 2017. Como ele mesmo afirma: “está registrado no diário”.

França não é o idealizador do projeto que atende pessoas moradoras de rua, dependentes de álcool e drogas, mas ele foi, e é, uma pessoa fundamental para a comunidade que fica na Rua Dois, 599, no bairro Jardim Majestic. “A Igreja Metodista em São José já vinha colaborando com essa comunidade uma vez por mês, auxiliando para levar alimentos e roupas ao Bazar. Na minha primeira visita, vi que tudo era muito bem limpo, mas muito, muito precário”, disse França.

Ao ouvir que a instituição não era legalizada junto aos órgãos públicos, França logo se prontificou para ajudar no processo de legalização da comunidade terapêutica. Passou a ir todas as terças-feiras para o bairro, que fica distante da Igreja 21,1 km pela Rodovia Presidente Dutra. “Contratei um Topógrafo para ter a planta e depois um arquiteto. Toda a parte documental eu entreguei para a Maria Margarete Mota – assistente social da comunidade”.

Segundo França, o projeto tem reconhecimento da sociedade. “A prefeitura e a assistente social conseguiram aprovar o título de utilidade pública para a Comunidade Boas Novas. Hoje, há um número de 28 a 35 dependentes internos/as, mas queremos dobrar esse número em breve”, enfatizou França.

A coordenadora de Ação Social da IMSJC, Lucia Helena de Paiva Durante, disse que ao fazer a primeira visita com um grupo de metodistas da igreja local, voltaram inquietos/as com o que viram. “Se a Igreja abraçar a ideia com a gente, nós abraçaremos a causa. O pastor Alex compartilhou com a Igreja o anseio do grupo. A partir daí começaram a aparecer doadores/as, e a igreja passou a contribuir com um valor mensal. As reformas começaram. Os dormitórios e refeitórios ficaram prontos. Nosso projeto é entregar as salas até o final do ano”, destacou Lucia Helena. 

Um grupo de 20 pessoas da IMSJC vai à comunidade Boas Novas para levar doações de roupas. “Foi um namoro, fomos uma vez, outra vez e percebemos que era um trabalho sério. Nos encantamos pelo projeto e investimos. Nunca imaginaríamos que era possível realizar o que temos visto hoje”, finalizou Lucia. 

Para o Pastor Alexander Christian Rodrigues Antunes, da IMSJC, o trabalho é uma bênção de Deus. “A Igreja Metodista Central em São José dos Campos tem se envolvido de uma maneira tão abrangente que estamos melhorando a estrutura da comunidade. Inauguramos os novos dormitórios, reformamos o refeitório, além das salas para atendimento psicológico e odontológico que queremos entregar em breve”, destacou o Pastor Alexander.

Ainda segundo o pastor local, a Igreja já investiu uma boa quantia nesse projeto social. “Para a Igreja local tem sido gratificante. Já investimos mais de 100 mil reais na Comunidade Terapêutica. Temos um compromisso com essa comunidade, além de os/as internos/as participarem das atividades no Ponto Missionário que fica próximo, a diretora da casa já se tornou membro de nossa Igreja", disse o pastor.

Todas as reformas realizadas na Comunidade Terapêutica Boas Novas estão dentro das normas dos órgãos governamentais justamente para estabelecer novas parcerias com o governo para que a instituição possa receber verba pública para sua manutenção.

A diretora da comunidade, Magali Haroca Fernandes Hissa, enfatizou o importante trabalho de apoio da Igreja Metodista em São José dos Campos.
"A metodista foi fundamental para nossa base para conseguir todos os benefícos que conseguimos junto à prefeitura. Se eles não tivessem apoiado, talvez não estávamos com as portas abertas ainda", disse.

História
Localizada no bairro Jardim Majestic, em São José dos Campos/SP, a Comunidade Terapêutica Boas Novas foi fundada dia 12 de dezembro de 1997 pelo Sr. Roberto Hissa, que sentiu o desejo e a necessidade de acolher e ajudar pessoas necessitadas e dependentes químicos. 

Ao trabalhar em uma instituição, presenciou inúmeros maus tratos e se demitiu por não aceitar os métodos aplicados naquele lugar. Ao defender constantemente os/as internos/as, decidiu que ia cuidar daquelas pessoas de forma diferenciada. Imediatamente providenciou uma Chácara em Monte Mor e logo acolheu dois moradores em situação de rua, que pediam ajuda. O filho Adilson Hissa conta que houve muita dedicação dos pais naquele projeto. “O trabalho com muito amor e dedicação logo ficou conhecido e o aumento dos/as assistidos/as foi inevitável. Foram tempos difíceis, era preciso caminhar uma hora para chegar à Chácara. Havia pouquíssimo recurso financeiro, e para manter a comunidade, eu, meu pai e meus irmãos fazíamos cestos e vendíamos para comprar alimentos, contou Adilson.

A família Hissa, diante de Deus, aceitou o desafio de recuperar aqueles/as que na época eram marginalizados/as pela sociedade. Após quatro anos em Monte Mor, tiveram que entregar a Chácara a pedido do proprietário, mas eles não desistiram e conseguiram um novo local para dar continuidade aos atendimentos através de comodato rural em São José dos Campos. 

Em 2008 a família foi surpreendida por uma grave enfermidade sofrida pelo Sr. Roberto, que veio a falecer vítima de câncer no dia 11 de agosto daquele ano. “Meu pai, acamado, pediu para que nós, ao lado de minha mãe, continuássemos os atendimentos com amor e dedicação”, ressaltou o filho Adilson Hissa. A Sra. Magali assumiu a presidência da Comunidade, com total apoio dos filhos, e até a presente data, todos se dedicam inteiramente. 

A partir do dia 22 de fevereiro de 2014, a Comunidade Terapêutica Boas Novas passou a ser uma associação civil sem fins lucrativos e foi iniciado o processo de regularização. No decorrer de todos os anos de atuação, a Comunidade Terapêutica Boas Novas vem desenvolvendo todos os trabalhos conforme preconiza a Política Nacional de Assistência Social (PNAS) enquanto serviço de Proteção Social de Alta Complexidade e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais, oferecendo serviço de apoio, orientação e acompanhamento às famílias como forma de direcioná-las à preservação e ao fortalecimento dos vínculos familiares, como também dando-lhes condições para o desenvolvimento de sua autonomia. No processo de regularização, desde 2017 a Igreja Metodista vem promovendo as reformas necessárias nas instalações, melhorando e ampliando o número de internações.

A instituição conta hoje com uma equipe multidisciplinar, sendo três assistentes sociais, um psicólogo, duas terapeutas, quatro monitores, um coordenador, uma estagiária de serviço social, cinco estagiários de psicologia e com a colaboração de 32 voluntários/as nas mais diversas áreas de atuação. 

Publicado originalmente na edição de outubro de 2019 do jornal Expositor Cristão 

*Reprodução parcial ou integral deste conteúdo autorizado desde que seja citado a fonte conforme abaixo:

[Nome do repórter], Expositor Cristão (Edição outubro de 2019)


Tags: sem tags no momento!