Publicado por Redação em Artigo DNTC, Página da Criança - 04/07/2017 às 10:27:05

A importância de congregar juntos/as

2016_06_zeca_aventureirosPodemos ver nesse versículo o verbo ir na primeira conjugação da pessoa do plural, interessante isso, né? Por que será? Aprendi desde cedo o quanto é bom ir à igreja. É nossa obrigação como pais transmitir aos/às nossos/as filhos/as a alegria de irmos à casa de Deus.

Domingo é o dia que separamos como família para irmos à casa de Deus. Esse é o dia mais importante para você e para a sua família. Deus separou esse dia para Ele ser Louvado. Existe um ditado que diz assim: “uma atitude vale mais que mil palavras”. Você, pai, mãe ou responsável, deve ser exemplo para seus/as filhos/as. Não adianta você mandar seus/as filhos/as para a igreja, achando que está fazendo um ótimo trabalho, se você fica em casa, descansando, lendo, dormindo, vendo televisão ou outras coisas.

Lembre-se: ir à casa do Senhor é uma tarefa para fazerem juntos/as. No livro de Samuel, vemos a história de Elcana e Ana, que criaram Samuel nos caminhos do Senhor, um grande exemplo de compromisso em família com Deus. Nós, pais e responsáveis, que temos responsabilidades sobre os nossos filhos e filhas, temos que tomar atitudes de influenciá-los/as a irem à igreja antes que seja tarde demais.

Em provérbios 22.6 diz assim: “Ensina a criança o caminho que deve andar e ainda quando for velho, não se desviará dele”. Portanto, invista nesse projeto.

Equipe DNTC
Publicado originalmente no jornal Expositor Cristão de julho

Posts relacionados

Notícias, Artigo DNTC, por José Geraldo Magalhães Jr.

Identifique o comportamento da criança

Mudança de comportamento é comum em crianças que são vítimas de violência. No trabalho com elas nos envolvemos com ações de proteção, ensino e cuidado com a criança. No que se refere à proteção, um dos aspectos a se observar é a violência doméstica, presente em muitas famílias, que atinge diretamente a vida da criança fisicamente (em muitos casos) e emocionalmente (em todos os casos), e verificamos que elas frequentemente são desacreditadas ao relatarem o que sofreram.