Publicado por Redação em Opinião, Notícias, Episcopal - 03/01/2019 às 16:33:11

Crianças: novidade profética para o ano 2019

Bispo Luiz Vergílio Batista da Rosa
Presidente do Colégio Episcopal 


Leitura: (Isaías 65.17-25; Lucas 2.10-11)

A Igreja Metodista definiu o ano de 2019 como um tempo para pensarmos, como discípulas e discípulos de Jesus, o cuidado para com o meio ambiente. Esta ênfase nos remete a refletirmos sobre a criação e a fragilidade da vida.

Criação

Na Bíblia, no livro de Gênesis, que trata da história da criação do universo e da vida, consta em seu 1º versículo que: “No princípio criou Deus...”.  O Profeta Isaías fala de um novo gênesis, no capítulo 66: V. 17, em que Deus “cria novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das coisas passadas, jamais haverá memória delas”, referindo-se à presença do Reino de Deus.

“O nascimento e a sobrevivência das crianças colocam-se como uma denúncia profética contra o infanticídio, os maus tratos, o desprezo aos pequeninos e indefesos seres humanos”

Em ambos os textos há o uso do verbo “Barat” significando criar.  Esse verbo é sempre utilizado quando se trata da ação criativa direta de Deus. Assim, no contexto do AT, somente Deus é capaz de criar algo completamente novo, onde nada existia. A natureza, o universo são fruto desta ação.

A ação humana mais próxima deste agir divino é a concepção, quando a mulher concebe uma nova vida, dando continuidade ao processo divino de permanente renovação da natureza humana, no que é seguida pelas demais criaturas. Portanto, Deus também se expressa na experiência da gestação e do parto. Assim, em cada criança nasce a expectativa, a esperança de novos céus e nova terra.

Novos céus e velha terra

A presença do Emanuel criança, celebrado no recente Natal, não será facilmente compreendida. As pessoas preferem permanecer em seu antigo céu e no velho mundoa se aventurar por esta milagrosa mudança do temor das dores do parto para trazer a alegria do nascimento. 

Assim, a fecundação é ato de celebração da esperança, pois já não haverá bebês que vivam poucos dias. O nascimento e a sobrevivência das crianças colocam-se como uma denúncia profética contra o infanticídio, os maus tratos, o desprezo aos pequeninos e indefesos seres humanos.

Tudo que avilta a infância, situações, por exemplo, as guerras, os conflitos, a fome, a subnutrição, a violência, a exploração pelo trabalho e pelo tráfico, a falta de saneamento básico e de condições mínimas de sobrevivências; mas, sobretudo, o abandono e a indiferença. Essa realidade mantém um ambiente hostil à vida e à natureza. 

Novos céus e nova terra para as crianças

Assim, diante do novo céu e da nova terra, os símbolos do poder temporal, da violência, da prepotência e da injustiça, dos reinos e principados humanos, simbolizados pelo Lobo, o Leão, a Serpente, serão domesticados, educados para a vida de paz e de comunhão, com os seres mais frágeis: o cordeiro, a vaca, o jumentinho. Na fala do Profeta Isaías, “a criança de peito brincará sobre a toca da áspide, e o já desmamado meterá a mão na cova do basilisco” (Isaías 11.8). 

A casa é lugar de convivência. O lugar onde exprimem-se afetos, lugar de proteção, de ensino e aprendizagem. Casa também é lugar de devoção, onde as primeiras noções de adoração, de santidade, de vida de comunhão são construídas e consolidadas. É lugar onde se aprende a definir papéis e princípios, onde a disciplina não é agressão, mas é reconhecimento de respeito à vida, a experiências já vivenciadas. Casa é o lugar que corresponde a cada pessoa em suas relações de pertencimento e de vivências.

Por isso, casa é lugar de longevidade abençoada. Onde os afetos são construídos, os valores de nossa fé são aprendidos e compartilhados. Portanto, o novo céu e nova terra são espaços para as nossas crianças e adultos viverem por longos anos. 

Assim, renovamos, para o novo ano, as esperanças de novos céus e de nova terra, onde nossas crianças, nossos filhos e filhas são as primícias. 

Bispo Luiz Vergílio Batista da Rosa
Presidente do Colégio Episcopal 
Publicado originalmente na edição de janeiro de 2019 do Jornal Expositor Cristão impresso.


Posts relacionados

Notícias, Última Edição, Boletins 21CG, por Redação

Como acompanhar o 21º Concílio Geral da Igreja Metodista

Acompanhe a cobertura oficial do 21° Concílio Geral da Igreja Metodista, que acontece de 3 a 10 de julho, na cidade de Sorocaba, interior de São Paulo.

Notícia, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Igreja Metodista disponibiliza liturgia para celebrar o Dia Internacional da Mulher

alar de mulher é falar de fortalezas, fragilidades, limites, avanços e vulnerabilidades. E é em meio a todos esses dilemas da vida humana e da sociedade, que as mulheres existem e resistem e, de forma especial, são capazes de unir suas forças para adorar, denunciar o pecado, reclamar o direito, cuidar, amparar, sustentar e transformar