Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Notícias, Atualidade, Conscientização, Direitos Humanos | 27/08/2019 às 15:14:27


Setembro amarelo, mês de prevenção do suicídio


Setembro é o mês mundial de prevenção do suicídio, chamado também de Setembro Amarelo. O assunto, que já foi um tabu muito maior, ainda enfrenta grandes dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, justamente pelos preconceitos e falta de informação.

O ano de 2017 foi um marco nacional nesse quesito com a ocorrência de alguns fatores que colaboraram com a população como um todo a dar mais atenção ao tema e procurar informações. Em 2018, o Centro de Valorização à Vida – CVV (www.cvv.org.br), uma das entidades mobilizadoras do Setembro Amarelo no Brasil, programou diversas atividades em todas as cidades nas quais possui um de seus mais de 90 postos de atendimento.

Alguns exemplos de atividades são caminhadas, palestras, balões amarelos, pontos turísticos e edifícios públicos iluminados, distribuição de folhetos e atendimentos em locais públicos.
Carlos Correia, voluntário e porta-voz do CVV, comenta que é o período mais intenso para todos/as os/as voluntários/as da instituição: “Nos preparamos desde o início do ano para aproveitar esse importante momento de falar sobre prevenção do suicídio e, aos poucos, quebrar alguns tabus”.

Correia conta que os 32 suicídios que ocorrem diariamente no país, média de 1 morte a cada 45 minutos, é algo que pode ser reduzido. “Perceber que a pressão interna está muito elevada, que o copo está para transbordar e, nesse momento ou antes disso, pedir e aceitar ajuda é muito eficiente. Conversar com alguém, seja conhecido/a ou desconhecido/a, de forma acolhedora e sem críticas já ajudaria essa pessoa a superar aquele momento”. O voluntário do CVV diz ainda que muitas vezes as pessoas precisam de acompanhamento médico e/ou psicológico, mas que o serviço do CVV atua em situações de crises como complemento a esse tratamento.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio é a segunda causa de morte de pessoas entre 15 e 29 anos. Aqui no Brasil, aumentou o número de tentativas e de mortes por suicídio nos últimos anos. Para mudar esse cenário, o Unicef e o CVV lançaram uma campanha de prevenção.

Prevenção
O suicídio entre adolescentes e jovens é uma questão séria de saúde no Brasil. Assim, é preciso falar sobre o assunto. Pensando em reduzir os crescentes índices desse tipo de ocorrência entre pessoas de 14 a 24 anos de idade, o CVV lançou três séries de vídeos com informações sobre o tema.

A primeira é composta por seis vídeos de um minuto cada um. São direcionados para os/as jovens. Assim, apresentam depoimentos em primeira pessoa sobre problemas característicos dessa faixa etária que podem comprometer a saúde emocional. Entre eles, o uso de drogas, abuso sexual, discriminação e pressão por notas.

Outra série de seis vídeos se volta para pais e educadores/as. Neles, especialistas discutem sinais no comportamento que indicam a necessidade de prevenção. Também são abordados os papéis da família e da escola nessa questão. Por fim, há uma série com seis videoaulas, além de um guia em pdf, para a formação de facilitadores/as de grupos de apoio a sobreviventes do suicídio.

Não é preciso estar ligado ao CVV ou a outra instituição para se mobilizar. Empresas podem fazer ações internas, distribuir materiais informativos disponíveis no site www.setembroamarelo.org.br e promover palestras. Órgãos públicos podem iluminar de amarelo fachadas de prédios, promover atividades, falar sobre prevenção nas unidades de saúde e em escolas. E cada pessoa pode se mobilizar usando uma fita amarela ou vestindo amarelo, levantando o tema em seus grupos e buscando informações confiáveis sobre o assunto.

O movimento Setembro Amarelo, mês mundial de prevenção do suicídio, iniciado em 2015, visa sensibilizar e conscientizar a população sobre a questão. O material é livre e gratuito. E conta com o apoio do Unicef.

O CVV
O Centro de Valorização da Vida, fundado em São Paulo, em 1962, é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal desde 1973. Presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato.

A instituição é associada ao Befrienders Worldwide, que congrega entidades congêneres de todo o mundo, e participou da força-tarefa que elaborou a Política Nacional de Prevenção do Suicídio, do Ministério da Saúde, com quem mantém, desde 2015, um termo de cooperação para a implantação de uma linha gratuita nacional de prevenção do suicídio.

A linha 188 começou a funcionar no Rio Grande do Sul e, em setembro de 2017, iniciou sua expansão para todo o Brasil, que foi concluída em 30/06/2018, com a integração de todos os estados.
Os contatos com o CVV são feitos pelos telefones 188 (24 horas e sem custo de ligação), pessoalmente (nos 110 postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br, por chat e e-mail. Nesses canais, são realizados mais de 2 milhões de atendimentos anuais, por aproximadamente 2,4 mil voluntários/as, localizados em 19 estados mais o Distrito Federal.

Além dos atendimentos, o CVV desenvolve, em todo o país, outras atividades relacionadas a apoio emocional, com ações abertas à comunidade, que estimulam o autoconhecimento e melhor convivência em grupo e consigo mesmo. A instituição também mantém o Hospital Francisca Julia que atende pessoas com transtornos mentais e dependência química em São José dos Campos/SP. 

Publicado originalmente na edição de setembro do Expositor Cristão

Redação EC

/// Com informações:
CVV | Setembro Amarelo e Catraca Livre
Mais detalhes acesse:
www.setembroamarelo.org.br
www.cvv.org.br/conheca-mais/


Tags: sem tags no momento!