Publicado por Redação em Notícia, Nacional - 14/09/2016 às 16:46:56

Paratleta argelino conquista medalha com tempo que garantiria ouro olímpico

Alexandre Loureiro | Getty Images
Alexandre Loureiro | Getty Images | Rio 2016



(EBC) - O paratleta argelino Abdellatif Baka alcançou nas Paralimpíadas Rio 2016 uma marca que teria garantido o ouro também na Olímpiada, com atletas sem deficiência. Na noite de ontem (11), Baka concluiu a prova dos 1.500 m rasos da classe T12/13, específica para atletas com baixa visão, com 3 mim48s29, mais rápido que o vencedor da prova na olimpíada regular, Matthew Centrovitz, que teve marca de 3m50s.

Os resultados dos medalhistas paralímpicos de prata e bronze na mesma na prova, o etíope Tamiru Demisse (3m48s49) e o queniano Henry Kirwa (3m49s59), também superariam o ouro olímpico de Centrovitz.

A marca de Baka nos 1.500m rasos também foi um novo recorde mundial da classe.  Na próxima quinta-feira (15), o argelino disputará uma medalha nos 400 m.

A prova dos 1.500m da classe T13 teve a participação de dois atletas brasileiros, Yeltsin Jacques e Julio César Agripino. Jacques alcançou a 11ª colocação, com o tempo de 3m58s92, seguido por Julio César, na 12ª colocação, com 4m00s61.

Atletismo paralímpico

O atletismo integra os Jogos Paralímpicos desde a primeira edição, em Roma, em 1960. Na ocasião, os atletas competiram em um total de 25 eventos valendo medalha. Desde então, a modalidade fez parte de todas as edições e, atualmente, é a maior disciplina do programa Paralímpico.

Nos Jogos Rio 2016, 1,1 mil paratletas competem na modalidade em 177 eventos de pista, campo e rua ao longo de 11 dias.

Escrito por Heloisa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil

Posts relacionados

Notícia, Notícias, por José Geraldo Magalhães Jr.

Igreja Metodista disponibiliza liturgia para celebrar o Dia Internacional da Mulher

alar de mulher é falar de fortalezas, fragilidades, limites, avanços e vulnerabilidades. E é em meio a todos esses dilemas da vida humana e da sociedade, que as mulheres existem e resistem e, de forma especial, são capazes de unir suas forças para adorar, denunciar o pecado, reclamar o direito, cuidar, amparar, sustentar e transformar

Igreja e Sociedade, Notícia, por José Geraldo Magalhães Jr.

Equipe do Projeto Sombra e Água Fresca se reúne em São Paulo

A equipe nacional do Projeto Sombra e Água Fresca da Igreja Metodista inciou na manhã dessa quarta-feira, 6, a primeria reunião do ano. O encontro está sendo na Sede Nacional da Igreja Metodista, em São Paulo.