Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Notícias, Metodismo, Eventos | 10/12/2019 às 12:22:36


Oitava Região Eclesiástica pronta para os desafios do próximo biênio


O terceiro Concílio da 8ª Região Eclesiástica aconteceu entre os dias 31 de outubro e 3 de novembro em Anápolis/GO. Nele foram eleitos delegados ao Concílio Geral, membros das comissões e nomes da lista quádrupla daqueles e daquela que concorrerão ao episcopado: Reverendos Bruno de Oliveira Sahb, Nivaldo Francisco Dias, Sérgio Nascimento Santos e Bispa Hideide Aparecida Gomes de Brito Torres, aplaudida de pé pelos/as participantes do plenário. Além da homenagem, a episcopisa ouviu dos/as conciliares o desejo de que, sendo eleita, continue como bispa da 8ª Região. 

Decisões de ordem administrativa, sempre acompanhadas por intensos momentos de adoração, louvor e pregações bastante desafiadoras, deram ao concílio sentidos de busca e renovo espiritual, testemunhados no culto de encerramento, no qual foram ordenados/as novos/as presbíteros/as. Como preletores, o Bispo José Carlos Peres, o Pastor Magid Saab e o escritor Maurício Zágari. 

Apelos aos cuidados com a saúde espiritual e emocional da liderança cristã foram feitos pelo Pastor Magid Saab. De acordo com ele, as igrejas estão cheias de pessoas doentes emocionalmente, o que explicaria o comportamento de muitas delas em relação à igreja. Ele fez questão de mostrar que esse não é um quadro apenas de membros, mas de muitos pastores e pastoras. “Traumas podem ser como mau hálito, muitos têm, mas não percebem”, disse o pastor. “Precisamos ser humildes e pedir ajuda a fim de que o arrependimento e o perdão sejam liberados”. Saab concluiu dizendo que todos devem buscar ajuda e que a prática da confissão deve ser retomada nas igrejas a fim de que essas situações sejam resolvidas.

O autor do livro O perdão total na igreja, Maurício Zágari, apontou causas e consequências das chamadas feridas na alma, que comprometem o desenvolvimento das comunidades cristãs. De acordo com Zágari, autoritarismo, arrogância, favorecimento, hipocrisia, entre outros, apresentam-se como principais origens desses males. “É uma total sabotagem do Evangelho um/a líder que não compreende que a autoridade eclesial é para servir e edificar a igreja”. Segundo o escritor, existem motivos bastante evidentes em relação ao crescimento do número de “desigrejados” e que devem ser considerados pelas lideranças. “Minha pesquisa mostrou a repetição de fatores para a saída de muita gente do meio evangélico”, disse. “Não se pode ignorar isso, é preciso refletir e buscar soluções”, concluiu.

 /// Informou:
Pastor Roni Pinheiro

Publicado originalmente na edição de DEZEMBRO de 2019 do jornal Expositor Cristão 

*Reprodução parcial ou integral deste conteúdo autorizado desde que seja citado a fonte conforme abaixo:

[Nome do repórter ou autor do artigo], Expositor Cristão (Edição dezembro de 2019)


Tags: sem tags no momento!