Publicado por Sara de Paula em Notícias, Internacional | 04/01/2018 às 17:25:18


Metodistas recebem Prêmio Mundial da Paz 2017


Duas organizações foram escolhidas para receber o Prêmio Metodista Mundial da Paz para 2017. Os destinatários foram escolhidos na reunião do Comitê Diretor do Conselho Metodista Mundial deste ano, realizada em Roma, Itália. O comitê verbalizou seu desejo de apresentar o prêmio a um destinatário metodista e não metodista, especialmente durante uma época em que o mundo precisa ouvir e ver a paz em ação. Ambas as organizações trabalharam corajosamente para a paz em suas respectivas áreas do mundo, mas também contribuíram para inspirar outros/as a trabalhar pela paz globalmente. 

As Igrejas Metodistas na Itália (OPCEMI) foram escolhidas por seu trabalho e compromisso com migrantes e refugiados/as que datam de 1989. Esta pequena igreja (parte da União de Metodistas e Valdenses da Itália) mostrou grande coragem diante da grande crise de refugiados/as e migrantes que inundam a Europa. Quando outros/as disseram que os problemas eram insuperáveis, a atitude do OPCEMI foi que “não poderíamos fazer outro – não podíamos sentar e deixar isso acontecer”. Um espaço seguro e acolhedor chamado “Casa da Cultura” foi criado em Scicli, na Sicília, que acolheu refugiados/as e migrantes da Síria, do Iraque, do Oriente Médio e da África do Norte, Central e Ocidental. O trabalho da igreja abrangeu décadas e saudou os/as migrantes das religiões protestante, católica e muçulmana. O seu envolvimento com a esperança do Mediterrâneo tem sido consistente e continuou apesar da crescente onda de chegadas à Itália. O OPCEMI continua seus esforços também financiando os corredores humanitários através do escritório “8 x 1000” da União das Igrejas Waldensian e Metodista na Itália.

A família Nassar foi escolhida por seu trabalho com a Tenda das Nações que ela hospeda em sua fazenda de 100 hectares, localizada a Sudoeste de Belém, em uma área altamente disputada da Palestina, controlada pelo governo israelense. A família permanece em suas terras e compartilha sua história de paz com convidados/as de todo o mundo. A família não tem permissão para desenvolver sua fazenda para fins agrícolas, não há acesso a infraestrutura de energia, água ou esgoto, nem pode obter permissões para qualquer novo edifício. A família apresentou alternativas criativas e sustentáveis. Cada verão, crianças de aldeias locais (cristãs e muçulmanas) participam de um campo de verão destinado a libertar e distrair as crianças da política circundante, capacitando-as com autoconfiança para que elas possam fazer parte de um futuro melhor para a Palestina. A família também estabeleceu o Centro de Mulheres Bent Al-Reef para capacitar mulheres com aulas de inglês, computador, arte, etc., e incentivá-las a desempenhar um papel na formação da sociedade. Todos os anos, centenas de voluntários/as viajam para a Palestina, moram com a família Nassar e se engajam ativamente no trabalho dos programas de terra, participação e liderança. 

Com informações: Barby Bowser - Assistente Executivo e de Comunicações do Concílio Mundial Metodista
Publicado originalmente no Jornal Expositor Cristão de janeiro/2018. Acesse aqui.


Tags: sem tags no momento!