Publicado por Sara de Paula em Notícias | 25/06/2018 às 16:03:34


Metodistas dos EUA apoiam ação executiva em favor de famílias de imigrantes separadas, mas não acham que seja suficiente


umc-mulheres-410-800x568.jpg

Foto: Erik Alsgaard, UMNS.

Os líderes da Igreja Metodista Unida expressaram seu alívio pela ordem executiva do Presidente Trump, que pôs fim à separação de pais e crianças detidos ilegalmente na travessia dos Estados Unidos, mas eles alertaram que os detalhes de qualquer mudança na política são importantes e enfatizaram que a ordem executiva não é suficiente.

"Congratulamo-nos com qualquer coisa que reúne famílias, mas insistimos em um enfoque completo e humano para tratar estes casos de pessoas que procuram asilo na abordagem dos Estados Unidos", disse o Bispo Scott Jones, que dirige a Conferência Anual do Texas e é membro do Grupo de Trabalho sobre Imigração do Conselho dos Bispos.

Ele acrescentou: "A Igreja Metodista Unida tem chamado para uma reforma migratória ampla e humana em todos os níveis. Este (separação de pais e filhos) é simplesmente a mais recente manifestação de um problema de longa data", afirmou.

A convenção Hispânico/Latino da Igreja Metodista Unida, MARCHA (Metodistas Associados/as Representando a Causa Hispânico Americano), expressou sua gratidão por todos aqueles que se opunham à política. "No entanto, também acreditamos que a detenção de famílias permanece desumana e inaceitável", disse o grupo em um comunicado. "O conceito de 'família' é a base central da cultura hispânica/latina".

O Bispo Kenneth H. Carter Jr., presidente do Conselho das Conferências Episcopais e líder da Conferência Anual da Flórida, disse que a situação das famílias o levou a pensar na declaração de Deus em Êxodo 3: 7-8 que tem visto a miséria de seu povo. "Uma ordem executiva acabar com a separação das famílias nas nossas fronteiras é uma boa notícia e uma reversão de uma prática desumana e imoral", disse Carter. "Estamos gratos pela presença de metodistas unidos nas mesmas áreas onde se encontram esses centros de detenção, e pelos atos de amor e compaixão que eles estão oferecendo. Regozijamo-nos com essas famílias quando se reúnem. Damos graças por uma igreja profética que se liga a Deus libertando os mais vulneráveis ​​da escravidão e opressão. Mesmo assim, mais precisa ser feito para a reforma da imigração ", concluiu.

Relatórios oficiais e as notícias, dizem que uma parte dos imigrantes que foram deportados estão tendo dificuldade em localizar seus filhos, e a ordem executiva do presidente não aborda que as famílias separadas possam se encontrar.

Os/as metodistas unidos/as se juntaram ao protesto contra esta política, pedindo um fim à separação de famílias de imigrantes, junto do Conselho de Bispos/as Metodistas Unidos/as, o movimento de Mulheres Metodistas Unidas, Comitê Metodista Unido de Alívio (UMCOR) e da Junta Geral de Igreja e Sociedade (GBCS).

Em 19 de junho, a bispa aposentado Jane Allen Middleton e outros/as metodistas unidos/as estavam entre centenas de mulheres líderes religiosas, reunidas em frente aos escritórios do ICE (US Customs and Border Protection), em Washington, para protestar contra a política. Middleton falou no comício, dizendo que ela estava falando em nome de todas as mulheres Anciãs das Nações Metodistas: "Até quando, ó Senhor, deve sofrer seus filhos/as", "Até quando, como uma nação, vamos continuar abusando de outros seres humanos por causa de seu status de imigração?", perguntou ela.

Escrito por Sam Hodges, Erik Alsgaard e Heather Hahn*

* Hodges e Hahn são jornalistas do Serviço de Notícias Metodistas Unidas (SMU). Alsgaard é o editor-chefe do Ministério das Comunicações da Conferência Baltimore-Washington. Entre em contato com eles pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org.

Clique aqui para ler a notícia completa em inglês no site da UMC.com


Tags: sem tags no momento!