Publicado por José Geraldo Magalhães Jr. em Discipulado | 27/02/2019 às 14:18:58


Discipulado como ferramenta de treinamento nas igrejas


Quando nos referimos ao tema do discipulado, é importante compreender a sua profundidade através do pensamento cristão, pois o discipulado vai dar a direção a quem pretende caminhar ou iniciar seus primeiros passos na fé, passando pelo processo de conversão (mudança de vida), sendo norteado através dos ensinamentos bíblicos e da Palavra do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. 

Muito se fala sobre crescimento através de pequenos grupos ou “células”, expansão, plantação de igrejas e campos missionários, conquanto, estamos preparados para receber as pessoas como elas são? Respeitando sua trajetória até chegar a nós? Precisamos, antes de querer cumprir o IDE do Senhor, nos prepararmos por meio do discipulado que nos ensina a ganhar, consolidar, discipular e enviar.

Para darmos início a uma reflexão ao tema abordado, devemos compreender que fazemos parte de uma organização, e é pertinente focar nossos olhares também na sociedade. É muito comum, em muitas de nossas comunidades, uma tendência humana de leitura através do antropocentrismo ou teologismo, onde todas as realidades da organização são designíos divinos, sendo o próprio Deus o provedor de todas as necessidades, gestão e objetivos. Todavia, é importante compreender, sem reducionismo da fé, que através de uma liderança capacitada, a missão ganha eficácia, o líder totalitário não comporta a demanda da sociedade, que vive em constante mudança. 

O discipulado como instrumento de capacitação dentro de nossas comunidades de fé pode ser muito bem utilizado para auxiliar os/as líderes no processo de edificação e comprometimento dos/as envolvidos/as em seus projetos ou finalidades.

O discipulado como ferramenta de capacitação de nossas lideranças deve ser compreendido através de uma perspectiva científica no que tange ao campo da Administração, assim o/a líder capacitado/a é apto/a a gerar outros/as líderes que serão capazes de auxiliar no crescimento das pessoas envolvidas, descobrindo seus potenciais e talentos, agregando formas de conhecimento, desempenhando estratégias que tenham o objetivo de aperfeiçoar o grupo (liderados/as).

Pilares
Pode-se elencar cinco pilares para obtenção do desenvolvimento das competências por meio do discipulado: 

  1. Alinhamento: onde se tem uma direção a ser seguida e sabe-se qual direção realmente deseja seguir;
  2.  Foco: não se desviar do objetivo;
  3. Paciência: desenvolver a estabilidade emocional da espera, persistência, não desistir;
  4. Resiliência;
  5. Atitude: não ficar na inércia.

Ao lermos a Palavra de Deus, percebemos a importância da liderança guiando o povo para libertação, conscientizando-o da importância de seu papel. De acordo com o professor e Pastor Nicanor Lopes, os papéis precisam ser bem definidos. “As pessoas representam o ponto central de uma administração; para tanto, é necessário que elas tenham seus papéis (direitos e deveres) bem definidos. Quando Deus chamou Moisés para ser o libertador de seu povo da opressão de Faraó, Ele conduziu o povo para o êxodo. Nesse período o povo aumentou em grande quantidade, e Moisés manteve seu estilo administrativo. Todas as pessoas o procuravam para resolver suas questões”. (NICANOR, 2015 p.80)

Dentro das perspectivas mencionadas, é interessante apontar que, em meio às crenças das instituições tradicionais, concebe-se a ideia de continuidade e, dessa forma, a resistência a mudanças persiste. Ao compreendermos as facetas da liderança e as constantes mudanças da sociedade, novas políticas de mudança devem e podem promover um aperfeiçoamento. O primeiro passo é investir em um processo que busque o aperfeiçoamento e contribua para o melhor desempenho da organização.

O discipulado como uma ferramenta de capacitação da liderança em nossas comunidades de fé traz eficácia para o cumprimento do IDE, valorizando o ser humano, aperfeiçoando e descobrindo suas habilidades, onde a fé e a espiritualidade não são anuladas.

A espiritualidade é um processo da vivência da fé, que motiva as ações e alimenta nossas convicções mais profundas. Quando inseridas em nossas comunidades de fé, passamos pelo processo de capacitação, somos assim instrumentos aperfeiçoados pela Graça Redentora de Cristo Salvador. No Evangelho de Mateus (28.18-20), o Senhor Jesus nos motiva a ensinar e ainda nos garante que estaria conosco até o fim, ou seja, o discipulado de Jesus é contínuo.

Que possamos usar todas as ferramentas, dons que nos foi dado em prol do Reino, discípulos/as que geram discípulos/as.

MD. Reynaldo Teixeira
4ª Região Eclesiástica

Fonte: Jornal Expositor Cristão - edição de março/2019

 


Tags: discipulado, opiniao, artigo