Publicado em Notícias | 25/09/2018 às 09:34:29


Conclamação aos Presidenciáveis: Um compromisso com a Justiça, a Verdade e a Nação

brasil-eleicoes-presidenciaveis-593-800x568.jpg


O Conselho Coordenador da Aliança Cristã Evangélica Brasileira, publicou no último domingo, 22, o documento intitulado Conclamação aos Presidenciáveis: Um compromisso com a Justiça, a Verdade e a Nação. 

A Igreja Metodista (IM) é uma das organizações filiada à plataforma da Aliança Cristã Evangélica. O vídeo publicado com documento, conta com a participação do Bispo José Carlos Peres, vice-presidente do Colégio Episcopal da IM, e presidente da 3ª Região Eclesiástica da organização. Quem também participa da ação é o Pastor metodista Welinton Pereira, pessoa de referência da Pastoral de Direitos Humanos da igreja. Em sua fala, o pastor traz a afirmação da necessidade de uma reforma no Judiciário, "que acima de tudo leve em conta os mais vulneráveis do nosso país". 

Em agosto, a Igreja Metodista brasileira também divulgou o seu documento sobre o tema: As eleições e o povo chamado metodista. O texto assinado pelo Colégio Episcopal traz sete pontos importantes de reflexão na hora de escolher um/a candidato/a. Leia aqui.

 

Leia o documento publicado pela Aliança Evangélica na íntegra: 

Aos Candidatos à Presidência da República do Brasil
Pleito de Outubro de 2018

Conclamação aos Presidenciáveis
Um compromisso com a Justiça, a Verdade e a Nação

A Aliança Cristã Evangélica Brasileira reúne denominações, igrejas e organizações cristãs no objetivo de se constituir numa plataforma de unidade a partir de identidades e vivências evangélicas. Seu objetivo maior é seguir a Jesus Cristo, tanto na sua dimensão pessoal e comunitária como na construção de uma cidadania que busca a justiça associada à paz, o amor ao respeito ao outro e a verdade associada a um comportamento íntegro e transparente.

Na consciência de que vivemos um momento tenso, desalentador e crítico em nossa nação, nos propomos a orar por um processo eletivo responsável, democrático, pacífico e restaurador de dignidade social e de confiabilidade política. Em sintonia com esta oração e como parte de um crescente povo que se identifica como evangélico, nos comprometemos com aquilo pelo que oramos e convidamos os candidatos à presidência da República a endossarem os compromissos que esboçamos a seguir e que consideramos como sendo básicos e mínimos para o futuro próximo de nossa nação.

  • Afirmar a democracia como princípio de poder que garanta e que represente a liberdade e a igualdade social de indivíduos e de grupos sociais, independente de raça, cor, religião e condição social. Toda tentativa e alusão ao desmonte da nossa estrutura democrática deve ser fortemente negada e denunciada. Precisamos de mais e não de menos democracia. Uma democracia representativa, transparente e guiada pelos princípios de uma governança que seja auditada, eficaz e respeite saudáveis princípios de rotatividade e de prestação de contas.
  • Afirmar as seguintes Reformas: 
    • Política, que priorize a transparência, a representatividade e a rotatividade nos cargos eletivos, o voto distrital, o controle público dos partidos e a substancial diminuição nos cargos de indicação política. Uma reforma que construa uma administração pública que seja gerida pelos mesmos princípios da sociedade civil, evitando a construção e manutenção de corporativismos que apenas buscam o próprio privilégio. Uma reforma que busque coibir a prática da corrupção, torne céleres e transparentes processos de julgamento e aplicação das respectivas punições e reduza o alcance da imunidade parlamentar.
    • Trabalhista, na busca pelo pleno emprego, na garantia dos direitos dos trabalhadores, na geração de formas de trabalho que dignifiquem a estes e respondam às oportunidades e demandas do mercado de trabalho, além de promover efetivamente a capacitação profissional das populações carentes. 
    • Previdenciária, que recompense de forma justa a vida de trabalho e de contribuição dos trabalhadores enquanto direito e não como concessão. 
    • Tributária, que simplifique o Código Tributário Brasileiro, hoje com mais de 50 impostos diferentes, equalize as taxações dos estados, e busque um sistema mais justo para taxar empresas e cidadãos com alíquotas proporcionalmente maiores para os que têm maior renda e incentivando doações privadas a instituições sociais, sempre na busca da prestação, à população, de serviços públicos de qualidade como resposta ao recebimento de tributos e taxas.
    • Judiciária, na busca por um processo eletivo para juízes e desembargadores que garanta a sua independência para julgar sem influência dos poderes legislativo e executivo. Promover a revisão nos fluxos processuais, mantendo a ampla defesa, promovendo a aplicação da lei com celeridade e equidade, com consideração especial aos menos favorecidos e reduzindo a possibilidade de recursos meramente protelatórios e que visam o retardo do final dos julgamentos, privilegiando assim os mais ricos mediante a contratação de advogados mais influentes e mais poderosos.
    • Sistema Financeiro, zelando pela diminuição da evasão fiscal nos diversos setores da economia através de incentivos à formalização de negócios, desburocratização das relações com o Estado, simplificação do sistema tributário e fiscalização eficaz. Buscar ainda uma menor concentração no sistema bancário, menores juros e maior acessibilidade ao crédito para os menos favorecidos. 
    • Educacional, garantindo o ensino público, laico e gratuito voltado para as populações mais pobres e as classes médias, com a valorização dos profissionais da educação como os professores e o investimento em escolas públicas de qualidade.
  • Afirmar o cuidado com o Meio Ambiente como valor e com respeito, buscando a proteção do mesmo em suas mais variadas expressões.. Vivemos um ritmo de aquecimento global, de destruição da natureza por interesses econômicos e a poluição dos mares e rios num nível ameaçador da vida e assim tornando o futuro insustentável e comprometendo o bem estar de nossos filhos e netos. Diante deste quadro resgatamos dimensões de nossa fé cristã mediante a qual reconhecemos o meio ambiente como fruto da criação de Deus e o outro como expressão do amor de Deus e da dignidade humana dados por Deus a cada um. Esses princípios e valores precisam estar na agenda dos próximos governantes de nossa nação em sua busca por caminhos de sustentabilidade que inclua a presente e a futura geração.
  • Afirmar os direitos humanos a paz, ante as muitas formas de violência que afetam, sobretudo, os que não podem se proteger, como as minorias, os desvalidos e as crianças. Afirmar os direitos de todos à luz de racismos e diferentes níveis de discriminações, contaminando os mais profundos níveis das relações humanas. A opção de Jesus pela paz e pela pacificação é de enorme necessidade em nosso país hoje. Um país que vive grave crise na área da segurança pública, carece de mecanismos de proteção da população, no reconhecimento de que simplesmente aumentar o público carcerário não se tem mostrado uma resposta à altura do desafio de segurança vivido pela população.
  • Afirmar um estado laico que garanta a liberdade religiosa da sociedade e respeite os espaços das organizações religiosas em suas formas de atuação na esfera social, sem favorecimentos de nenhuma religião instituída. Um espaço que seja garantido e auditado, segundo critérios de transparência pública e de mecanismos de tratamento igualitário para com todos.
  • Afirmar a Vida em todas as suas dimensões, desde a proteção da vida intrauterina como pós-uterina, cuidando especialmente dos que são mais frágeis e vulneráveis em nossa sociedade, como as crianças e os adolescentes. Proteger e cuidar da família, como núcleo social, solidário e fraterno, fundamental na construção de uma sociedade mais sadia. Investir na saúde pública e zelar por programas inclusivos de habitação rumo a construção de uma paz que deve marcar a vida da nação.

Os compromissos aqui indicados expressam valores e posicionamentos de nossas comunidades de fé e, por isso, afirmamos a necessidade de uma caminhada conjunta rumo a uma nação que seja mais justa, mais pacificada e mais fraterna. O que nós, como Aliança Evangélica, buscamos é seguir os ensinamentos de Jesus Cristo. Assim, inspirados e guiados por ele buscamos amar a Deus e ao próximo como a nós mesmos, como Jesus fez e nos ensinou a fazer.

Brasília, 20 de setembro de 2018

Assinada pelo Conselho Coordenador da Aliança Cristã Evangélica Brasileira.

Assista abaixo o vídeo publicado no canal da organização:

Redação EC
Com informações de Aliança Evangélica


Tags: sem tags no momento!