Publicado por Sara de Paula em Notícias | 06/03/2018 às 16:11:58


A missão social da Igreja Metodista por meio das AMAS


2018-03-amas-escola-o-semeador-credito-fabio-h-mendes-110-800x568.jpg

A Igreja missionária a serviço do povo faz do Reino de Deus o critério de seu amor e serviço ao mundo, tal como foi vivido e anunciado por Jesus” – Plano Nacional Missionário da Igreja Metodista 2017-2021. É por meio das Associações Metodistas de Ação Social (AMAS) que grande parte desse chamado anunciado por Jesus, e destacado no Plano Nacional Missionário, se cumpre.

Uma das pessoas que inspiraram essa característica do povo chamado metodista foi Suzana Wesley, mãe de John Wesley, fundador do movimento. Suzana deixou um legado para a comunidade do coração aquecido sobre a importância de ser resposta para as pessoas em tempos de necessidade. Na região Sul do país, a casa de repouso para mulheres na terceira idade homenageia não apenas seu nome, mas também os valores que defendia. No Lar Suzana Wesley, em Santo Ângelo/RS, são acolhidas 24 idosas que recebem os cuidados da comunidade e da Igreja através de doações, visitas e assistência espiritual. 

Grazieli Pedraza é enfermeira na casa e explica como o mais singelo trabalho pode fazer diferença no dia a dia para essas senhoras. “O Pastor Alex Nunes, que acaba de ser nomeado para a Igreja Metodista da cidade, fez uma visita, celebrou a ceia e até tocou violão para elas. Depois as “vozinhas” ficaram comentando como foi diferente e bonito. Algumas queriam até dançar, mas quando nós explicamos que era um culto, elas entenderam e respeitaram muito”, disse Grazieli, que expôs ao jornal a necessidade de arrecadar doações para a casa, especialmente agora no começo do ano, quando muitas pessoas estão de férias e acabam se envolvendo menos com o lar.

O mesmo trabalho de acolhimento a idosos/as acontece no Lar Carlota Pereira Louro, em Três Rios/RJ. O Secretário de Ação Social da 7ª Região Eclesiástica, Pastor Marco Antônio Garcia dos Santos, compartilhou sobre a necessidade dos/as idosos/as que são atendidos/as. “É uma instituição que carece de apoio. Eles acolhem muitos/as idosos/as, mesmo os/as que não têm condições financeiras, que estão abandonados/as, e até a própria cidade no âmbito governamental encaminha pes­soas para lá e nem sempre há o recurso para que aquele/a idoso/a seja mantido/a”, disse o Pastor Marco. Segundo o secretário, é necessário em média quatro salários mínimos para manter um/a idoso/a, porém a grande maioria não consegue pagar esse valor. 
As crianças também são prioridade na missão metodista. O Projeto Sombra e Água Fresca (SAF), que possui 56 projetos ao redor do Brasil, é um dos responsáveis por integrar as ações realizadas por algumas Associações. A AMAS de Cassilândia/MS, na 5ª Região Eclesiástica, é uma delas. Na Associação é possível apadrinhar crianças atendidas pelo Projeto SAF com valores a partir de R$ 20,00 por mês, por exemplo. Em Minas Gerais os trabalhos relacionados ao SAF também atendem dezenas de crianças, como você confere na matéria da página 12 sobre o SAF em Caratinga.

Como ajudar

Há diversas formas de ajudar as AMAS ativas no Brasil. As doações financeiras são as que mais ajudam a manter os trabalhos funcionando, mas ainda é possível se voluntariar e divulgar os trabalhos das Associações. Recentemente a Escola Metodista “O Semeador”, em São Caetano do Sul/SP, recebeu como doação um projeto de Marketing Digital que facilita aos/às doadores/as entenderem o funcionamento da organização. A Escola atende crianças e adolescentes a partir dos três anos de idade com alguma deficiência intelectual e TGD (Transtornos Globais do Desenvolvimento). “A Escola é fundamental na região. Somos uma escola de referência, então seria uma perda se a AMAS da Igreja Metodista de São Caetano do Sul fechasse.

Continuaremos abertos mesmo com dificuldades, mas precisamos da ajuda de todo mundo”, explicou Vanessa Paiva Garcia Fantozzi, coordenadora pedagógica da organização, ressaltando que as associações têm custos, como despesas fixas e funcionários, que são cobertos com as doações recebidas.


Alegria da voluntária da Associação Metodista de Ação social de Curitiba/PR.

Já em Curitiba/PR, a AMAS ligada à Igreja Metodista Central da cidade realizou a campanha “Colocando o amor para rodar”, que conseguiu arrecadar doações para compra de uma Kombi usada, em ótimo estado, que auxiliará no desenvolvimento dos trabalhos. Sheila Bissoqui é administradora da Associação e lembra como o comprometimento da Igreja é essencial. “A AMAS Curitiba funciona como um importante braço da Igreja, considerado como um de seus ministérios. Embora a instituição tenha CNPJ próprio, conte com mais de 30 funcionários/as, seja muito bem estruturada e declarada de utilidade pública, contamos muito com a ajuda dos/as irmãos/ãs da igreja. Só com o emprenho de toda a igreja que foi possível realizar a aquisição do veículo”, defende.

A Região Missionária da Amazônia (REMA) tem o desafio de manter o Barco Hospital Metodista funcionando constantemente e de montar as equipes de voluntariados com profissionais que atendam às necessidades das comunidades ribeirinhas da Amazônia. Para a viagem que acontece entre os dias 24 e 30 de junho, o projeto busca preencher a equipe com um/a médico/a e um/a dentista/a.

Visite nosso site para conferir outros depoimentos de voluntários/as e funcionários/as das AMAS, fotos dos projetos e links para doação e para se voluntariar nas próximas ações. Anual­mente a área nacional lança a Campanha Nacional de Ação Social, que contempla dois projetos sociais de cada uma das dez Regiões da Igreja. No site acaosocial.metodista.org.br você pode acessar os dados da última edição da campanha e conhecer outros projetos vinculados à Igreja Metodista no Brasil. 

Sara de Paula
Publicado originalmente no Jornal EC de março de 2018. Acesse aqui.


Tags: sem tags no momento!