2016_06_zeca_aventureirosEra o dia da feira na Igreja. Cada ministério estava ocupando um espaço. O ministério de crianças estava participando junto com as crianças.

Elas estavam animadas! Cada um/a que chegava mostrava o prato que levou e já ofereciam para comprar! O dinheiro arrecadado iria ajudar na reforma da Igreja e queriam contribuir! Ninguém resistia ao convite delas!

A feira era a todos/as, havia vários/as visitantes, entre eles/as tinha uma menina negra de lindos olhos pretos e cabelos encaracolados. Ela se aproximou do espaço onde estavam as crianças. A professora, percebendo que nenhuma criança tinha se aproximado, falou:

— Olá! Seja bem-vinda! Qual o seu nome?
— Me chamo Luíza!
— Bonito nome, Luíza! E que lindo o seu cabelo!
— A senhora acha? O seu é bem diferente do meu! — Reparando no cabelo liso da professora!
— Também acho o meu lindo e tenho certeza de que Deus também acha, porque Ele criou os dois cabelos! E Ele nos ama assim do nosso jeitinho! Somos iguais para Deus!
Uma das crianças que estava ouvindo a conversa se aproximou e disse:
— Você tem que comprar esse bolo, minha mãe que fez, está uma delícia!
— Só esse bolo não, aquela torta, esse pão de mel — falou Samuel entrando na conversa e querendo vender tudo de uma vez e acabando por derrubar o pão de mel no chão.
— Ops! Desculpe — falou Samuel.
— Não tem problema — disse Luíza. — Às vezes deixo as coisas caírem também! Somos parecidos! Vou comprar o pão de mel!

A professora se afastou feliz! Ela sabia que Deus tinha dado a ela a oportunidade de ensinar um pouco mais de como Deus quer que a gente viva: Como iguais.

Equipe DNTC
Publicado originalmente no Expositor Cristão de novembro/2017