2017_11_gratidao

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar; Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar; Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora; Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar; Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz. – Eclesiastes 3:1-8

As orientações bíblicas em Eclesiastes, no capítulo 3.1-8, recomendam que há todo propósito debaixo do céu. Tudo tem o seu tempo determinado, inclusive tempo de chorar e sorrir; de abraçar e afastar-se de abraçar. Nesse texto especificamente não há a palavra gratidão, mas há outros relatos bíblicos que demonstram a importância de sermos gratos/as a Deus por tudo, como na I Carta de Paulo aos Tessalonicenses 5.18: “Em tudo dai graças”. Poucos/as o fazem, na verdade, como o exemplo de um leproso que foi curado por Jesus com mais nove amigos que caminhavam juntos. Somente ele voltou para agradecer.

Muitas vezes nosso repertório na oração é de petição por nós mesmos/as ou por alguém, não que isso não seja importante, mas agradecer a Deus pelas pequenas coisas faz toda a diferença em nosso dia a dia. A exemplo disso, temos o caso de uma leitora do Expositor Cristão que enviou uma carta para nossa redação contanto um testemunho de gratidão. Ela menciona que agradece a Deus todos os dias pelas mínimas coisas, inclusive por receber o jornal em casa.

“Inicio minha oração com gratidão a Deus pela minha família, por Ele cuidar de meus filhos e netos. Agradeço pelos livramentos, pela vida e termino com gratidão”, diz a introdução da carta. A irmã Rosa, de Belo Horizonte (MG), remetente da carta, finalizou com uma oração escrita e um singelo “obrigada pela atenção” no final. A palavra “agradeço” apareceu 18 vezes em 31 linhas.

A origem da palavra obrigado como forma de agradecimento vem do latim obligatus [particípio do verbo obligare, ligar, amarrar]. É a forma abreviada da expressão fico-lhe obrigado/a, ou seja, fico-lhe ligado/a pelo favor que me fez. Quando nos tornamos devedores/as de outrem por serviço que nos foi prestado, criamos uma ligação, mesmo que momentânea. Já a gratidão vem do latim gratia, que significa literalmente graça, ou gratus, que se traduz como agradável. Significa reconhecimento agradável por tudo quanto se recebe ou lhe é reconhecido. É uma emoção que envolve um sentimento e, portanto, não há obrigações, ligações ou amarrações. No caso da carta, a redação do Expositor Cristão que agradece à irmã Rosa pelo testemunho de gratidão.

Por que agradecer?

A Pastora Thaiana Assis da 1ª Região Eclesiástica também é grata a Deus pelas graças alcançadas. Ela é pastora no Campo Missionário distrital em Parque Paulista. Na comunidade tem o projeto social Galpão Arte Periferia Sombra e Água Fresca que atende 57 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. As atividades estão voltadas para a cidadania por meio da arte, música, artesanato, educação cristã e outras ações. O projeto receberá parte da verba arrecada na Campanha Nacional da Oferta para Ação Social que termina no Dia de Ação de Graças – última quinta-feira deste mês.

“Agradecemos diariamente o favor imerecido que recebemos do Salvador, mas é importante pararmos nesses dias de tanta correria para celebrar e agradecer. Seja qual for a nossa maneira de agradecer, o que importa mesmo é que essa gratidão brote do nosso coração, que seja de fato o reconhecimento por tanto amor a nós dispensado”, disse a Pastora Thaiana ao recordar o texto de Marta e Maria, que buscavam demonstrar o quão gratas eram pela amizade e cuidado que Jesus sempre lhes dispensou; à sua maneira expressaram seu sentimento, sua gratidão.

“Aqui em nossa comunidade, com nosso projeto social, buscamos agradecer a Deus no serviço as nossas crianças e adolescentes. E esse serviço tem sido muito abençoado com mãos doadoras das professoras, dos professores e de cada pessoa que se dispõe a nos apoiar de alguma forma. Este ano em especial, quando recebermos a oferta da Ação Social, não poderemos nos conter de tamanha alegria, pois o recurso vem para nos ajudar com a alimentação que oferecemos aos/às nossos/as alunos/as, com materiais pedagógicos que estão sempre em falta para nosso grupo, enfim, vai fazer nossas aulas mais atrativas e completas”, finalizou.

Outro projeto que receberá parte da oferta da Campanha Nacional é a Creche Metodista Isabel Veiga Pinto, no bairro Jardim Alvorada, em Belo Horizonte (MG). A creche é dirigida pela presidência e diretoria formada por membros da Igreja Metodista, portanto voluntários/as não remunerados/as que foram eleitos/as pelo Concílio Local da Igreja Metodista Central de Belo Horizonte. Atualmente são atendidas 126 crianças com idades entre 4 meses e 4 anos em regime de semi-internato, que moram na vizinhança.

A pessoa responsável pelo projeto, Eunice Tofani Salles Resende, 75 anos, relata a importância de manter as portas da creche abertas. “Expliquei para a igreja que recebemos uma verba da prefeitura para mantermos a creche aberta, assim vamos abençoar as crianças”, disse Eunice.

A prefeitura envia mensalmente mais de 40 mil reais para pagar os/as 16 funcionários/as que trabalham na instituição. “Só temos a agradecer, pois recebemos em média 44 mil reais todos os meses da prefeitura e este ano iremos receber mais essa ajuda da Área Nacional da Igreja. Motivo de muita alegria e gratidão porque teremos mais recursos para abençoar nossas crianças”, finalizou.

Ronara Barcelos, coordenadora geral da creche Isabel Veiga Pinto, também é grata a Deus. “É um tempo de muita gratidão porque a prefeitura contribui com a parte de alimentação e salário dos funcionários/as. A oferta é para investir na creche e melhoria para as crianças”, disse. Ronara enfatizou que a maior necessidade é a troca de alguns bens permanentes (geladeira e fogão).

Durante o dia são oferecidas três refeições diárias, controle dentário, reforço de hábito de higiene, atividades lúdicas e recreativas, educativas, acompanhamento familiar, entre outras ações.

Para saber todos os projetos sociais que receberão a Oferta para a Ação Social este ano acesse http://acaosocial.metodista.org.br.

Livramento

Quem tem motivos para agradecer de sobra é o pastor Bruno Henrique Rios da Igreja Metodista no Bairro Botafogo, na cidade de Ribeirão das Neves (MG). Ao sair do culto no domingo, dia 15 de outubro, ele, mais dois irmãos e uma criança de três anos foram atropelados por um motorista inabilitado e alcoolizado.

“Acabamos a celebração e estávamos saindo da Igreja. Um moço bateu no carro que estava parado próximo e atropelou a mim, mais dois homens e uma criança. Tive um corte lombar e fui parar no hospital. Levei 50 pontos e fiquei internado um dia”, disse ao Expositor Cristão.
O motorista foi preso em flagrante e após pagar fiança foi liberado. “Na hora a gente fica meio assustado, mas hoje estou feliz e agradeço a Deus pelo livramento, porque todas as quatro pessoas estão bem. A criança, por incrível que pareça, teve só um machucado no pezinho, mas já está bem”, finalizou.

O dono do carro, que não quis se identificar, não era o condutor do veículo na hora do acidente, mas, segundo Bruno, ele entrou em contato com a Igreja e deu toda a assistência necessária para as pessoas envolvidas no acidente.

Sobre o Dia Nacional de Ação de Graças

A ideia de transformar o “Dia de Ação de Graças” em acontecimento universal nasceu de um brasileiro, Joaquim Nabuco, quando era Embaixador do Brasil em Washington.
Em 1909, na Catedral de São Patrício, ao final da primeira Missa Pan-Americana, que celebrava o “Dia de Ação de Graças”, o Embaixador brasileiro formulou publicamente o seguinte voto: “Eu quisera que toda a humanidade se unisse, no mesmo dia, para um agradecimento universal a Deus”.

O diplomata brasileiro soube expressar em sua ideia todo o conhecimento que tinha sobre a população de seu país, baseado em seu passado histórico, firmando sempre, desde as origens, as tradições cristãs do respeito à liberdade e aos direitos humanos, a proibição constitucional das guerras, a busca de solução dos conflitos sem derramamento de sangue, enfim, um país voltado para a paz.

No Brasil, o “Dia Nacional de Ação de Graças” foi instituído por meio da Lei nº 781, de 17 de agosto de 1949, pelo presidente Eurico Gaspar Dutra. O Decreto nº 57.298, de 19 de novembro de 1965, regulamenta as comemorações do “Dia Nacional de Ação de Graças”. Finalmente, a Lei nº 5.110, de 22 de setembro de 1966, determina que o “Dia Nacional de Ação de Graças” seja comemorado na quarta quinta-feira do mês de novembro, sendo o Ministério da Justiça o órgão legalmente incumbido de rpomover a sua celebração.

Fonte: www.justica.gov.br/acesso/institucional/sumario/dia-nacional-de-acoes-de-gracas

José Geraldo Magalhães
Publicado originalmente no Expositor Cristão de novembro/2017