nota_ce_800

O Colégio Episcopal da Igreja Metodista brasileira, publicou uma nota hoje, 29, falando sobre o caso envolvendo a nomeação do diácono transgênero, M. Bracklay, da Igreja Metodista Unida, na Conferência Nordeste de Illinois, EUA. O documento explica a independência da igreja brasileira em relação a Igreja Metodista Unida. “Ressaltamos que a Igreja Metodista no Brasil não tem nenhuma relação de dependência ou alinhamento comportamental com qualquer decisão da Igreja Metodista Unida”, afirma.

Leia abaixo o conteúdo na íntegra, ou acesse o documento original no site da Igreja Metodista no Brasil.

Logo_Igreja_Metodista

NOTA DO COLÉGIO EPISCOPAL

Tem circulado nas mídias eletrônicas a notícia, publicada originalmente pelo jornal The Washington Post, sobre a nomeação do diácono M Bracklay, pela Bispa Sally Dyck , da Conferência Nordeste de Illinois, USA, da Igreja Metodista Unida dos Estados Unidos da América. O fato em destaque é o de que Barclay se declara transgênero (Queer).

A Igreja Metodista Unida, que é a 3ª maior denominação cristã dos Estados Unidos da América, debate-se e divide-se entre a visão da sexualidade bíblica e a identidade de gênero. Oficialmente, a sua Legislação Canônica admite que os clérigos e clérigas nomeados/as devem optar pelo celibato ou pelo casamento heterossexual. Contudo, considerando o grau de autonomia dos bispos e bispas metodistas em suas respectivas jurisdições (Conferências) podem eles/as decidirem pela ruptura da legislação oficial, celebrando atos como o fez a Bispa Sally.

Para o Colégio Episcopal, responsável pela orientação doutrinária pela unidade da Igreja, ressaltamos que a Igreja Metodista no Brasil não tem nenhuma relação de dependência ou alinhamento comportamental com qualquer decisão da Igreja Metodista Unida, de suas conferências ou de seus bispos e bispas.

Somos uma igreja autônoma. Nossa ação pastoral é pautada pela Bíblia, pelas Regras Gerais do Metodismo Histórico e pelos documentos oficiais da Igreja. Sendo assim, qualquer tentativa de vincular as ações da Igreja Metodista Unida dos USA com a Metodista no Brasil é inaceitável. Quem responde pelo metodismo brasileiro é o Colégio Episcopal que assina esta nota de esclarecimento:
Bispo Luiz Vergilio Batista da Rosa – Presidente do Colégio Episcopal
Bispo José Carlos Peres – Vice-Presidente do Colégio Episcopal
Bispa Marisa de Freitas Ferreira – Secretária do Colégio Episcopal
Bispo Paulo Rangel dos Santos Gonçalves
Bispo Roberto Alves de Souza
Bispo Adonias Pereira do Lago
Bispo João Carlos Lopes
Bispo Emanuel Adriano Siqueira da Silva
Bispa Hideide Aparecida Gomes de Brito Torres
Bispo Fábio Gomes da Silva

São Paulo Paulo, 29 de junho de 2017.

Redação EC

Comentários

  1. Anônimo disse:

    4.5