2017_02_marisa_catedral

A situação do Espírito Santo tem revelado, além de uma crise na situação de trabalho dos policiais militares, um sério problema de caráter entre brasileiros e brasileiras. O assunto foi abordado durante uma importante celebração metodista que aconteceu no último domingo (12), na Catedral Metodista de São Paulo.

Um culto preparado especialmente para posse e consagração do Colégio Episcopal e da Cogeam, também contou com o momento de entrega do título de Ordem do Mérito Metodista. Entre os momento da liturgia, bispos e bispa fizeram questão de trazer os problemas sociais diante das lideranças ali representadas.

“Essa situação revela um problema de caráter”, afirmou a Bispa Marisa de Freitas durante o momento de confissão, pedindo aos presentes que confessassem os pecados dos governantes do estado do Espírito Santo e de São Paulo, mencionando o problema que crianças enfrentaram na última semana, com a suspensão parcial do serviço de transportes por parte da prefeitura paulista.

O Bispo José Carlos Peres também realizou o encerramento do culto questionando a atitude do poder público, que coloca a vida da população em risco.

Já na chegada do culto era possível prever o clima de preocupação que metodistas carregam com problemas sociais. O informativo da Catedral Metodista do dia, trazia na capa um texto de Ana Carolina Chizzolini Alves, pastora da Igreja Local, que expressava as preocupações com a atitude das pessoas que são empurradas à barbárie por forças demoníacas, como menciona no texto. Leia abaixo na íntegra.

O Espírito Santo

Amados e Amadas, 

Este texto dessa semana não é um tratado teológico sobre o Espírito Santo. Este texto é um pedido de oração pelo estado do Espírito Santo. Quero convidar você a se solidarizar com as pessoas que estão sofrendo calamidades neste lugar. 

Desejo convocar a Igreja para que ore pelas famílias e pelas pessoas de bom coração que estão presas em suas casas por medo da violência generalizada que se instaurou nessa região. Saques desenfreados, arrombamentos, assassinatos, depredações e muitas outras desgraças fazem parte da rotina do Espírito Santo. Será que a culpa é da greve da polícia? Acho que não. 

Me peguei pensando nesse tema. Pessoas comuns invadindo lojas e roubando. Postando na internet os produtos de roubo. Pessoas no Facebook admitindo que roubaram e que fazem mesmo porque está disponível. Vi na TV a cena de mulheres com bebês sendo assaltadas no ponto de ônibus à luz do dia. Ouvi dizer que uma família estava batendo nas portas do prédio que vive porque a comida acabou. O que isso reflete? 

A polícia se ausentou das ruas sm e por isso tem sua parcela de culpa dentro da exigência de seus direitos. Mas, se forma muito simples cheguei a esta conclusão, que as pessoas são más e que esta natureza demoníaca que empurra para a barbárie é forte na humanidade. O ser humano, por causa do pecado, está tomado de ódio, de vingança, de desejo de consumo, de levar vantagem, de corrupção. 

Corrupção esta que começa nas pequenas atitudes de comprar carta de motorista, de não devolver o troco a mais que pegamos e atinge o alto escalão. 

Por isso oremos.
Oremos pelo estado do Espírito Santo. 
Oremos por nossas cidades e nossas polícias. 
Oremos pela humanidade e para que a paz reine. 
Oremos para TODA a língua confesse que Jesus Cristo é Senhor para a glória de Deus. 

Pra. Ana Carolina Chizzolini Alves

Redação EC