Foto de divulgação Diaconia

Foto de divulgação Diaconia

A Diaconia é uma das organizações apoiadas pela Igreja Metodista no Brasil. De inspiração cristã, a ONG atua junto a crianças, adolescentes, jovens, homens, mulheres, famílias e comunidades eclesiásticas, em quatro territórios: Pajeú, Oeste Potiguar e regiões metropolitanas de Recife e Fortaleza. Confira abaixo como  novas tecnologias tem fortalecido a produção dos agricultores.


(DIACONIA) Depois de quase um ano de espera das famílias agricultoras e comunidades, iniciou-se nesta terça (07) a execução da etapa final do projeto Pernambuco Mais Produtivo, apoiado pela Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária (SARA). O projeto, que financiou através da Diaconia a construção de 3.975 cisternas em 19 municípios, agora irá implementar 50 tanques de pedra e 20 barreiros lonados, além de 370 abrigos para armazenamento da produção.

A liberação do recurso pelo Governo do Estado se deu após reivindicação das organizações sociais executoras junto aos poderes Executivo e Legislativo, com apoio da Articulação no Semiárido (ASA/PE). As tecnologias, de armazenamento de água e incremento à produção de alimentos, serão construídas em municípios dos sertões do Pajeú e Araripe, como Serra Talhada, Exu e Verdejante. A maior parte das famílias e comunidades já está selecionada e cadastrada.
De acordo com o coordenador do projeto, Salomão Jalfim, o município mais adiantado é Verdejante, que já concluiu o recebimento do material: “Fizemos uma reunião com 15 pedreiros da região, e assim estamos iniciando a construção de 55 abrigos de armazenagem. Os demais municípios estão no processo de entrega de material”, afirma Jalfim.
Os abrigos de armazenagem (ou armazenamento) são uma das novidades trazidas pelo projeto. São pequenas casas de alvenaria, medindo 5m x 2,5m, que servirão para estocagem da produção. A demanda surgiu das próprias famílias, que utilizam os calçadões das cisternas como terreiros para secagem de grãos no período seco, mas não tinham onde armazenar durante as chuvas.
Conheça as demais tecnologias:
Tanque de Pedra ou caldeirão: tecnologia de uso comunitário construída em áreas rochosas (lajedos). São erguidas paredes na parte mais baixa ou ao redor da área da pedra, que servem como barreira para captação e acúmulo da água de chuva. O volume armazenado serve para o consumo dos animais, irrigação das plantações e afazeres domésticos que não são ligados à alimentação (lavagem de roupas, louças e banheiro, por exemplo).
Barreiro Lonado (foto): tanque longo, estreito e fundo escavado no solo, que armazena água por mais tempo, diminuindo a evaporação durante a estiagem. Diferente do barreiro comum, o tipo lonado tem o seu fundo e superfície cobertos por uma lona plástica, com capacidade de armazenar mais de 150 mil litros.

Carlos Henrique Silva | Assessor de Comunicação Diaconia