“A conquista da cidade por nós, metodistas, é marcar presença com nossa mensagem de salvação, santidade e serviço”

Bispo José Carlos Peres

Ouve-se muito falar sobre alcançar as cidades para Cristo! Mas como se ganha uma cidade para Cristo? Todos/as os/as habitantes da cidade se converterão? Haverá confronto? O povo da cidade estará aberto à evangelização? O que podemos como igreja oferecer para socorrer os/as necessitados/as ou mesmo quem não tem necessidade alguma? O que oferecer para quem sofre com o desemprego, com a violência que atinge a mulher, o/a negro/a, a família, as crianças, as pessoas da terceira idade e a juventude de uma forma geral? O que oferecer para quem está confuso/a com a diversidade de denominações que competem entre si, com ofertas absurdas para elas mesmas se beneficiarem financeiramente?

Nossa ênfase missionária de número seis estimula os/as metodistas a “promover maior comprometimento e resposta da Igreja ao clamor do Desafio Urbano” através de ações missionárias que visem atender ou dar respostas às intempéries diversas a que a cidade está sujeita. Propõe para isso que se faça uma boa análise de conjuntura e desenvolva projetos evangelísticos missionários que atendam aos desafios que a cidade oferece, como meio de levá-la aos pés de Cristo.

Atos dos Apóstolos nos oferecem excelentes pistas para construir um projeto missionário que alcance cidades. Paulo, em suas viagens missionárias, ensina que é necessário ter revelação de Deus. Uma delas, quando chegou a Corinto, em Atos 18.9-11, ele relata o seguinte: Certa noite o Senhor falou a Paulo em visão: “Não tenha medo, continue falando e não fique calado, pois estou com você, e ninguém vai lhe fazer mal ou feri-lo, porque tenho muita gente nesta cidade”. Assim, Paulo ficou ali durante um ano e meio, ensinando-lhes a palavra de Deus.

Quem tem a visão do Senhor e se move por ela, por mais que seja difícil e trabalhosa a tarefa de conquistar a cidade, não desiste até que a obra se consuma. É importante lembrar que a conquista da cidade por nós, metodistas, é marcar presença com nossa mensagem de salvação, santidade e serviço, tornando-nos relevantes para a vida da cidade, porém não significa que 100% dela se converterá ao Senhor Jesus, embora seja esse o desejo de Deus:  O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento – 2 Pedro 3.9

O Bispo Raul Garcia, do México, em uma de suas mensagens ao 19º Concílio Geral, disse que a “visão de Deus é a missão da igreja, e a missão da igreja é a minha missão”. No texto de Atos, a visão de Deus dada a Paulo é a de que Ele tem muita gente na cidade, muita gente necessitada de amor, de cuidado, de amparo e principalmente da salvação dada gratuitamente por Jesus Cristo. Então a missão da igreja, que é também a missão de cada discípulo/a, é a de apresentar ao povo uma opção de vida, a vida cristã, para que ele tenha oportunidade de se encontrar com o Deus da vida.

Em outro texto de Atos, o apóstolo Paulo, ao discursar perante o Rei Agripa, ensina a perseverança, mesmo diante de tantas turbulências que fariam a maioria dos/as discípulos/as desistir, ele permaneceu firme no propósito para o qual foi chamado. Paulo diz: “não fui desobediente à visão celestial” (Atos 26.19). Deste modo, um/a conquistador/a de cidades que tem a visão de Deus em seu coração perseverará até o fim.

Como metodistas que professam a fé cristã, temos um estilo de fazer missão que pode ser conhecido em nosso Plano Para a Vida e a Missão da Igreja, no Plano Diretor Missionário e também pelo Plano Nacional Missionário. São documentos que nos colocam no cerne da missão, trazendo linhas orientadoras para um bom desempenho missionário da Igreja em todas as suas áreas de atuação. Sugiro uma boa leitura desses documentos para que entendam o modo metodista de pensar missão.

Entretanto, maior que os nossos documentos é a Palavra de Deus, e ela nos determina realizar o trabalho missionário evangelístico com o propósito de ganhar as vidas de quem mora nas cidades e nos campos, em todas as nações da Terra, fazendo-os/as seus discípulos e suas discípulas (Mateus 28.19).

Espero que cada metodista cumpra sua vocação missionária com perseverança, sem esmorecer e que, assim, possamos alcançar o maior número de cidades para honra e glória daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. Também espero que através do nosso povo a luz de Cristo resplandeça nas trevas de muitas pessoas que se encontram em escuridão sem perspectiva de um futuro na presença do Pai.

Que o Deus da Vida seja sobre sua vida e seu ministério.

Bispo José Carlos Peres
Presidente da 3ª Região Eclesiástica