Foto: Observatório Sírio de Direitos Humanos

Foto: Cidade de Alppo | Observatório Sírio de Direitos Humanos

(ANSA) – Os confrontos entre rebeldes sírios e forças leais ao presidente Bashar al-Assad na cidade de Aleppo continuam com atrocidades, afetando civis e preocupando a comunidade internacional. Os militares, com o apoio das forças russas, estão tentando livrar Aleppo dos rebeldes, mas os confrontos têm sido classificados como “chocantes” e “horrorosos” pela comunidade internacional.

A situação se agravou nas últimas horas, já que o cessar-fogo anunciado ontem à noite (13) foi violado e impediu que os civis fossem evacuados da cidade, de acordo com a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos. Vários ônibus que já estavam prontos para entrarem em Aleppo ficaram do lado de fora, esperando a autorização para resgatar os civis. A Rússia, que fornece apoio aéreo ao regime de Assad contra os rebeldes, garantiu que a situação em Aleppo será resolvida dentro de dois ou três dias. O ex-chanceler e novo primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentiloni, disse que a situação de Aleppo “é um drama que ofende a nossa consciência e uma tragédia inaceitável para a nossa civilização”. A França pediu que as Nações Unidas envie observadores para garantir a evacuação dos civis, disse o ministro das Relações Exteriores de Paris, Jean-Marc Ayrault.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que conversou ontem com o presidente russo, Vladimir Putin, para pedir um rápido cessar-fogo e um acesso a todas as ajudas e operações humanitárias”.

Por Agência ANSA Brasil