europe-migrants-italy_handout_reuters

Foto Divulgação Marina Militare Italiana

(ANSA) – Nas últimas 48 horas, a Central de Operações da Guarda Costeira de Roma coordenou 78 distintas ações em alto mar que salvaram quase 11 mil imigrantes que estavam em embarcações ilegais no Mar Mediterrâneo.

Só nesta quarta-feira (5), 33 operações salvaram mais de 4,6 mil pessoas. Porém, o drama das mortes durante as travessias continua, com o resgate de 28 corpos que estavam nos barcos que tentavam chegar à Itália através do Canal da Sicília. Os mortos se juntam a outras 10 vítimas fatais resgatadas entre domingo (2) e segunda-feira (3) no mesmo local.

As milhares de pessoas estão sendo transportadas tanto por navios da Guarda Costeira e da operação europeia Frontex, como em embarcações comerciais que estão próximas aos locais de resgate. Assim que conseguem subir a bordo de barcos mais seguros, os imigrantes são levados aos portos italianos que fazem a identificação das pessoas e as encaminham para centros de acolhimento geridos por diversas entidades locais e internacionais.

Em um desses salvamentos, o Corpo de Socorro italiano precisaram fazer três partos emergenciais nos próprios navios. Desde o início da crise imigratória, há cerca de quatro anos, milhares de mulheres, crianças e adolescentes tentam uma vida melhor na Europa fugindo de guerras, da fome e de conflitos civis.

De acordo com dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 302,9 mil pessoas chegaram à Europa pela travessia do Mar Mediterrâneo. Além disso, 3,5 mil perderam a vida durante a navegação – sendo mais de três mil delas nas rotas que levam às ilhas do sul italiano.

Escrito por Agência ANSA Brasil