2016_10_matthew_cuba

Ondas em Cuba com Matthew chegando à cidade | Fonte: Ramon Espinosa / AP

Além do Haiti, Cuba, Bahamas, Caribe e EUA também foram países atingidos pelo Furacão Metthew no início de outubro. O Pastor Maikel Milán, coordenador do Conselho Provincial de Igrejas de Cuba em Las Tunas, compartilhou um relato e um pedido de ajuda para aqueles que desejam socorrer as vítimas da tragédia.

A Igreja Metodista no Brasil em parceria com a UMCOR, realiza a arrecadação de ofertas para socorrer vítimas, principalmente no Haiti. Acesse e saiba como doar.

Confira abaixo o testemunho do Pastor Maikel na íntegra.

 


(ALC) – Cheguei há um tempo em Las Tunas, graças a Deus, depois de 12 horas de viagem de volta, juntamente com vários pastores aqui. Estou naquele que era meu quarto no passado, chorando em silêncio. Eu pensei que não iria aguentar e deixaria as lágrimas rolarem em público. Agora eu finalmente posso chorar por meus irmãos que perderam tudo.

Durante três dias acampamos em Imias, Baracoa e Maisí, onde poderíamos atender mais de 150 famílias com módulos de alimentação e de higiene durante um mês, também com roupas, sapatos e outros bens. Acredito que a ajuda que levamos se multiplicou. O transporte em Maisí teve problemas e não podíamos nos  mover muito, porque começou a chover e os rios cresceram, mas mesmo na chuva e sem eletricidade os irmãos vieram para dar o aviso de que estávamos lá, e as entregas puderam ser descarregadas. Eu conheci um homem que está dormindo com sua filhinha nos braços em um banheiro, porque foi tudo o que lhe restou.

Com histórias como essas poderíamos escrever um livro, mas, e nós? Vamos falar sobre nós? Como poderíamos ajudar?

Às vezes dizemos prontamente que não podemos dar nada comparado com as necessidades, mas depois pensamos no que faríamos se estivéssemos nessa situação, se não tivéssemos onde sentar ou o que comer, ou uma única muda de roupa, ou se todos os materiais escolares de nossos filhos fossem perdidos, que não temos como manter nossos filhos secos enquanto chove, nem temos onde coloca-los para dormir pois o colchão está encharcado  para uma crianças asmática ou diabética. O que nós faríamos se nossas terras estivessem matando nossas plantações de bananas, cacau, coco e café e se nossos únicos enfeites fossem televisores, geladeiras, colchões e móveis quebrados?

O que se faz quando um ciclone passa por sua casa e te deixa vivo, mas leva tudo?

É melhor não falar ou pensar rapidamente, pois são situações muito duras. Agora o que nos resta é nos unirmos a este movimento de amor ao próximo, e compartilhar o que temos. Não importa se você já ajudou ou vai ajudar mais. Vamos chorar com quem chora, para um dia voltarmos para Baracoa, Imías, Maisí e nos alegrarmos com eles.

Hoje é o dia em que Deus está provando a fé deles e nosso amor. Estamos vivendo dias em que podemos definir quem é de quem não é. Logo convocaremos uma reunião em Las Tunas para nos unirmos como igreja e entender que uma porção de arroz ou uma camisa pode não resolver o problema, mas traz esperança.

Confiamos em grandes respostas de amor dos que querem dar esperança e dizem “amém”.

Testemunho de  Maikel Milán | Pastor e coordenador do Conselho Provincial de Igrejas de Cuba em Las Tunas
Publicado originalmente em espanhol pela ALC