2016_09_biblia_marcascristas
A passagem de João 16.7-9 é uma das citadas no embasamento bíblico das Diretrizes para a Educação na Igreja Metodista, de 1982. É preciso crer em Jesus Cristo, a fé que leva à santificação pessoal e social, objetivos da ação educativa metodista na promoção do Reino de Deus. A crise dos valores éticos se aprofundou muito desde então. A percepção de mundo foi acelerada e aproximada, graças às novas tecnologias de transporte, de informação e comunicação. O trabalho ficou mais precarizado e consumidor de tempo. Os pais passaram a buscar na escola formação em aspectos que antes eram tratados no âmbito familiar. Os/As jovens viram-se cercados/as por ofertas de ações de crueldade em escala inédita. Some a isso a crescente presença de grupos privados que atuam na Educação e a complexidade de uma sociedade em mutação.
Para se manterem relevantes, as instituições educacionais metodistas precisam incorporar no ensino, de forma transversal, o novo quadrívio*: Ciência, Tecnologia, Engenharias e Matemática (STEM, a sigla em inglês). No caso das instituições de educação superior, é necessário atuarem em consórcio e tornar a pesquisa, a internacionalização e as relações com a comunidade como direcionadores do ensino. A escola deve se tornar produtora do conhecimento, além de desenvolver o pensamento crítico e promover a cidadania entre educandos/as.
Mas, além disso, uma instituição educacional metodista deve fundamentar sua ação na promoção da experiência pessoal com Cristo. Esse aspecto da ação missionária deve se materializar nas ações das pastorais escolares e universitárias; em símbolos, textos e outras formas de divulgação internas e externas; normas de condutas a serem observadas por alunos/as, professores/as e funcionários/as; formação de colaboradores/as para que todos/as conheçam a tradição cristã metodista e seus valores fundamentais; assembleias e outros momentos cúlticos; abertura para a presença da Igreja nas instalações, sem concorrer com as atividades-fim; saber respeitar a diversidade sem abrir mão da identidade metodista; clubes bíblicos, conforme modelo wesleyano; principais lideranças comprometidas com o Evangelho e em comunhão com a Igreja.
Uma instituição educacional metodista deve ser visionária; promover a comunhão; ser profética; ser capaz de integrar fé e ciência na perspectiva da ética cristã pessoal e social; e ter uma atuação redentora, ou seja, não isolar do mundo, mas sim preparar estudantes para agir no mundo de forma libertadora e transformadora*.

Escrito por Robson Ramos de Aguiar | Luciano Sathler

*1 – Quadrívio, do latim quadrivium – os quatro caminhos – é o nome dado ao conjunto das artes matemáticas ensinadas nas universidades medievais: aritmética, geometria, música e astronomia. Juntamente com o trivium – lógica, gramática e retórica – formavam as chamadas sete artes liberais.

*2 –     GLYER, D.; WEEKS, D. L. (Orgs.). The liberal arts in higher education: challenging assumptions, exploring possibilities. University Press of America, Oxford, 1998.