COLAGE

Fotos publicadas pela Bispa Marisa de Freitas, em sua página pessoal

O Concílio Mundial da Igreja Metodista começará oficialmente amanhã (31) em Houston, Texas nos EUA. Um grupo de representantes brasileiros/as formado pelos Bispos Adonias Pereira do Lago, João Carlos e Luiz Vergílio, pela Bispa Marisa de Freitas e Pastora Andreia Fernandes acompanha o conclave.

Brasileiro também é o presidente do Conselho Mundial, Bispo Paulo Lockmann, que compartilhou com os meios de comunicação da IM brasileira o posicionamento do Comitê Mundial de Evangelismo que será apresentado no plenário. A declaração foi compartilhada na reunião com Secretários/as Regionais. Leia abaixo na íntegra, o texto traduzido por Angela Souza, e entenda o parecer sobre culturas cristã e islâmicas.

Você acompanha o 21° Concílio Mundial da Igreja Metodista na página oficial do evento, e também no site do Jornal Expositor Cristão.


umcAs maiores religiões do mundo, cristã e Islâmica, são hoje conhecidas por muitas pessoas por estarem em rota de colisão, como resultado do fundamentalismo religioso militante e militarismo secular agressivo.

Como Cristãos Metodistas/ Wesleyanos, nós acreditamos que Jesus Cristo é o Senhor da criação e da história e o Salvador do mundo. Como seguidores de Jesus, acreditamos na regra do amor, no valor de todas as pessoas, a tolerância com outros e sua visão de um reino de paz. Como consequência, nós respeitamos muito do que nós testemunhamos no Islamismo. Partilhamos forte ênfase do Islã na oração e jejum, a chamada para a busca da santidade pessoal, e o foco na caridade e na dignidade de cada ser humano. Estamos conscientes de que o Islã, como o cristianismo, é expresso de muitas formas diferentes em culturas diferentes. Reconhecemos a fidelidade da maioria dos muçulmanos como quando procuram viver vidas comprometidas com Deus e livres das perversões deste mundo. Nós também apreciamos as grandes contribuições da cultura islâmica que beneficiaram a humanidade.

Estamos cientes de que os muçulmanos foram abusados, oprimidos, humilhados e escravizados pelas forças políticas, econômicas e militares de nações ocidentais e que, apesar de estas nações têm funcionado principalmente como entidades seculares, elas têm sido associadas com a comunidade cristã. Além disso, nós reconhecemos claramente que os abusos de muçulmanos pelos ocidentais relacionados com as Cruzadas medievais, o colonialismo imperial dos séculos XVIII e XIX, e o militarismo do século XX e vinte primeiros séculos têm sido muitas vezes mais influenciados pela ganância, autopreservação e uma interpretação distorcida da fé cristã do que pelos mandamentos pacíficos e amorosos do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Para estes abusos por parte da comunidade cristã, buscamos o perdão dos povos islâmicos em todo o mundo.

Também estamos cientes de que os cristãos foram abusados e escravizados pela força no estabelecimento dos impérios islâmicos. Como discípulos de Jesus Cristo, que abominam o terrorismo do Islã militante e o militarismo dos governos ocidentais que são crescentes em uma espiral tragicamente violenta causando imenso sofrimento, medo e tristeza em todo o mundo. Unimo-nos a pessoas amantes da paz de ambas as fés em rejeitar o uso do cristianismo e do islamismo para o abuso e escravidão de pessoas. O Alcorão e a Bíblia nos chamam para honrar e respeitar a todas as pessoas, a submeter-nos a vontade de Deus em todas as coisas, e para trazer uma sociedade justa e pacífica em que o amor e a tolerância superem o ódio e o medo.

Agressão contra as pessoas ou nações, por qualquer razão que não autodefesa ou defesa de outrem, está em conflito com os ensinamentos do cristianismo e do islamismo, tanto no Novo Testamento como no Alcorão. Apelamos a todos os cristãos e muçulmanos para pôr fim ao ciclo de ódio e violência que ameaça todas as pessoas e a criação. Mesmo que reconhecer e afirmar algumas semelhanças entre o Islã e o cristianismo e entre o Alcorão e a Bíblia, acreditamos que as diferenças entre nós são significativas.

Embora entendemos que os muçulmanos acreditam que Deus é revelado ao mundo no Alcorão, afirmamos que Deus é revelado na Bíblia e definitiva auto revelação de Deus está na pessoa de Jesus Cristo. Embora entendemos que os muçulmanos afirmam a unidade absoluta de Deus, acreditamos que Deus é um só e tem sido revelado a nós em três pessoas como Deus Pai, que nos deu a vida, como Deus o Filho, em quem Deus em natureza completa é divulgado, e Deus o Espírito Santo que habita dentro de nós e continua a nos dar força e orientação em tudo o que fazemos.

Embora entendemos que os muçulmanos acreditam que todos os reinos da vida – pessoal, religiosa, social, familiar, política, econômica e militar, deve vir sob a autoridade de Deus, os cristãos afirmam a soberania de Deus e o senhorio de Jesus Cristo sobre toda a vida. Embora entendemos que os muçulmanos acreditam que a salvação vem por meio de completa submissão a Alá pela afirmação da declaração de fé (shahada), a participação nas orações diárias (salat), dando esmola (zakat), a observação do jejum do Ramadã (sawm) e participação na peregrinação (hajj), Cristãos Metodistas /Wesleyanos acreditam que a salvação vem através da justificação pela graça mediante a fé na revelação de Deus na pessoa de Jesus Cristo. Jesus é o evento singular, único na história humana que torna a salvação de todos os seres humanos possíveis. Esta salvação recebida pela graça é vivida numa vida de discipulado buscando santidade de coração e vida.

Em um mundo dilacerado pelo pecado, medo, desesperança e sem sentido, acreditamos que a vinda de Deus em Jesus de Nazaré e os ensinamentos, a morte sacrificial e ressurreição milagrosa de Jesus oferta de cura, esperança e salvação para todos. Esta salvação fornece fuga da escravidão do pecado, vida nova significativa, a reconciliação de pessoas, a renovação de toda a criação, e a esperança de vida eterna para todos os que confiam no Senhor Jesus Cristo.

Cremos que Deus nos chama para afirmar a dignidade e integridade de cada ser humano e nós respeitamos o direito de todas as pessoas para adorar a Deus da maneira que é mais significativa para eles. Portanto, esperamos e rezamos para que os governos não vão impor leis que violem os direitos religiosos dos seus cidadãos. Nós afirmamos que se é aceitável construir mesquitas em culturas cristãs, então também deve ser aceitável construir Igrejas Cristãs em culturas islâmicas. Como cristãos, nós também acreditamos que somos chamados a compartilhar o amor de Deus, o perdão e a ação graciosa na pessoa de Jesus Cristo com todos.

Os cristãos procuram viver em uma comunidade mundial que é moldada pelo reino de Deus, e orar e esperar o reino de Deus, justiça, paz e amor para vir na terra como no céu. Portanto, todos os cristãos Metodistas /Wesleyanos são chamados por Deus, em primeiro lugar, para aceitar amorosamente irmãos e irmãs muçulmanos/as como pessoas de fé; em segundo lugar, para se manter firme contra a violência e o ódio em todas as suas formas; em terceiro lugar, para ficar com as pessoas que estão sendo perseguidas e sofrem por sua fé; e quarto, confiando no poder e na orientação do Espírito Santo, para compartilhar com todas as pessoas, incluindo muçulmanos, o amor e a graça de nosso Senhor Jesus Cristo através dos nossos mundos, atos, e sinais, pelo poder do Espírito Santo, e convidá-los para uma mudança de vida em um relacionamento com Deus através de Cristo.

Desenvolvido pela Diretoria, funcionários e secretárias regionais do Evangelismo Mundial Metodista. – Londres, Inglaterra 01 de setembro de 2004
Alterada e aprovada pelo Comitê Mundial Metodista de Evangelismo do Concilio Mundial Metodista. – Port Elizabeth, África do Sul 16 de setembro de 2004
Alterado e aprovado pelo Comitê Executivo do Concilio Mundial Metodista – Port Elizabeth, África do Sul 18 de setembro de 2004

Acesse a carta original, em inglês: Wesleyan Witness in Islamic Culture

Comentários