2016_09_eja_classe
“O senhor Manoel, de 72 anos, chorou muito quando leu pela primeira vez”, disse a professora responsável pela classe, Orminda Hilário Tales, que leciona no projeto Brasil Alfabetizado que funciona nas dependências da Igreja Metodista em Jardim Paraíso II, em Nova Iguaçu/RJ. São duas turmas de nove alunos/as cada e a maioria dos/as alunos/as matriculados/as é idoso/a. No dia 8 de setembro celebra-se o Dia Mundial de Alfabetização, e exemplos como esse acima contribuem com a pesquisa realizada a cada dez anos pelo Instituto Brasileiro de Geo­grafia e Estatística (IBGE). O último Censo do IBGE (2010) apontou que no Brasil a taxa de analfabetismo na população de 15 anos de idade ou mais caiu de 13,63% para 9,6% em dez anos. Se em 2000 o Brasil somava mais de 16 milhões de analfabetos/as, com a queda percentual, o Brasil ainda tem mais de 13 milhões de pessoas que não sabem ler ou escrever, sendo que 39,2% desse contingente era de idosos/as.

2016_09_eja_projetobbA maior proporção de analfabetos/as estava centralizada na região do Nordeste nos municípios com até 50 mil habitantes: cerca de 28% da população de 15 anos ou mais. Nessas cidades, a proporção de idosos/as que não sabiam ler e escrever girava em torno de 60%. A experiência e satisfação da professora Orminda é de nos encher de orgulho. “Eu me sinto realizada no que faço. Muitos deles/as diziam que o sonho estava sendo realizado. Sinto-me como se estivesse dando luz a um cego. Um dos alunos testemunhou que conseguiu ler o letreiro do ônibus sozinho. Isso é muito gratificante”, disse a professora.

Brasil Alfabetizado

O projeto é recente. Iniciou em fevereiro deste ano. Foi Orminda que apresentou o projeto do governo federal, Brasil Alfabetizado, para o pastor Jean Carlos Delminio. “Desde que fui nomeado para este campo missionário, recebi a missão de Deus para levar as boas-novas a uma igreja desanimada e sem o vigor missionário. Eles/as estavam amedrontados/as pelo tráfico de drogas”, conta o pastor Jean.

Na ocasião, há três anos e meio, eram apenas 6 membros; hoje conta com 78 membros frequentes. Quando o pastor chegou a Jardim Paraíso II, ele se deparou com a realidade do analfabetismo na comunidade. “No início deste ano consegui o contato da professora Orminda, que tinha como trazer o projeto para a comunidade. Ela aceitou o desafio, e a igreja local aqueceu seu coração na direção deste novo projeto”, relata o pastor.

Faixas anunciando o projeto foram providenciadas, mas o que funcionou mesmo foi a propaganda boca a boca. O projeto de Educação para Jovens e Adultos (EJA) passou a ser uma referência na região com uma nova possibilidade de inclusão social para a comunidade. O EJA funciona de terça a sexta-feira e o término das aulas e formaturas será em setembro na universidade de Nova Iguaçu (UNIG).

Projeto de Judô

2016_09_eja_judo

Outro projeto relevante na comunidade que alcança 30 crianças a partir dos cinco anos de idade é o Judô. Desde abril deste ano, a Igreja tem investido nas crianças e adolescentes da comunidade. “Estamos combatendo a violência e tirando crianças das drogas por meio da fé e da promoção humana”, finalizou o pastor Jean Carlos. A iniciativa, segundo o pastor, é alcançar famílias e tirar as crianças das ruas. Em breve será implantado na comunidade o projeto com informática para incluir as pessoas de Paraí­so II no mundo virtual. Para combater a violência e as drogas utilizamos a fé e a ferramenta da promoção humana.

Projeto BB Educar

2016_09_eja_judo2A Igreja Metodista no Estreito, em Florianópolis/SC, em parceria com a Fundação Banco do Brasil, a ARESP (Associação dos Recicladores Esperança) e a Escola de Educação Básica América Dutra, também abriu as portas para receber os/as alunos/as do curso do Banco do Brasil Educar (BB Educar). A alfabetização foi realizada dentro dos moldes do Projeto BB Educar, que consiste na tecnologia social de formação em comunidades de todo o país, de alfabetizadores/as que assumem o compromisso de constituir núcleos de alfabetização, com aulas presencias, ministradas pelos/as professores/as treinados/as pelo projeto e com acompanhamento individualizado dos/as alunos/as pelos/as auxiliares para melhor aproveitamento nas aulas.

“Nós da Igreja Metodista estivemos no processo de divulgação e matrícula dos/as alunos/as, e durante o período de curso nos mantivemos presentes auxiliando os/as professores/as durante as aulas”, explica Andresa Teixeira, coordenadora do ministério de comunicação da Igreja. A principal atividade foi, desde o início, o ensino utilizando situações, notícias do dia a dia, contando com a participação dos/as alunos/as, dos/as auxiliares e dos/as professores/as de uma forma dinâmica, contínua e, principalmente, crítica.

“Alguns/as alunos/as desistiram no decorrer do curso, outros/as, porém, sentindo-se seguros/as, foram encaminhados/as para Projetos Educacionais de Jovens e Adultos (EJA). Além disso, à medida que conhecíamos os/as alunos/as, pudemos orientá-los/as nas mais variadas áreas da vida deles”, disse Andresa Teixeira. O Pastor da Igreja Metodista em Estreito, Ronivau Amaro, se esforça para dar sua contribuição. “Minha maior dificuldade foi auxiliar pessoas com tantas experiências e conhecimentos acumulados ao longo de seus 40, 50, 60 anos de vida ou mais sem desprezar a sabedoria que eles/as acumularam ao longo da vida”, declarou.

“Para nós, como igreja, é uma satisfação participarmos deste projeto social e nos envolvermos com a comunidade. Cremos que estamos obedecendo ao Ide de Jesus e agindo como uma Comunidade Missionária a Serviço do Povo”, finalizou Andresa.

Escrito por José Geraldo Magalhães | Editor-chefe
Publicado originalmente no Expositor Cristão de setembro | Acesse e faça download gratuito


ATUALIZAÇÃO

Mesmo diante desse cenário, há denúncias de que na última semana o Programa Nacional de combate ao Analfabetismo foi suspenso pelo Governo Federal. O trabalho de alfabetização de jovens e adultos que acontece na Igreja Metodista, recebia apoio do programa em Nova Iguaçu, RJ, como mostra a matéria do Expositor Cristão de setembro, publicada antes da denúncia de suspensão do projeto.

Confira a denúncia feita pela Folha de S.Paulo aqui: http://bit.ly/2bGaqAK

Ore para que o projeto continue nessa e em outras cidades, beneficiando aqueles e aquelas que mais precisam. Saiba como doar para manter os projetos sociais da Igreja Metodista no Brasil: http://acaosocial.metodista.org.br/

Comentários

  1. Anônimo disse:

    4.5