shutterstock_61682428Quando nasci meus pais já eram metodistas, fui criado participando dos trabalhos na Igreja Metodista Central em Curitiba. Em minha adolescência tive uma experiência pessoal com Cristo e minha sede e interesse pelas coisas de Deus e da igreja cresceram. Queria saber mais e contribuir mais, queria saber o que podia fazer para isso.
Alguns anos depois a Igreja Metodista passou a se organizar em dons e ministérios e me disseram que eu deveria saber qual era meu dom para identificar o ministério no qual poderia contribuir. Gastei um tempo tentando identificar, mas sem sucesso. Em crise, procurei meus pais para conversar sobre o assunto, pois eles sempre foram muito ativos na igreja e na obra do Senhor; me acalmaram dizendo que no tempo certo o Senhor mostraria, porém, o desejo de fazer algo para Deus ainda existia. Como não sabia para que Deus havia me capacitado, me dispus a fazer o que me pedissem, e durante um tempo foi assim que contribui para a igreja.

Tornei-me presidente da sociedade de juvenis e, posteriormente, da sociedade de jovens, mas sem saber muito bem o que deveria fazer e o que a igreja esperava de mim nessas funções; mais uma vez meus pais e o conselheiro das sociedades me ajudaram esclarecendo e, com seu exemplo, me mostraram como devia proceder. Quando recebi o chamado para o ministério pastoral foi a mesma coisa. Descobri que teria que realizar tarefas para as quais não me julgava capacitado. Procurei um pastor mais experiente, abri minhas dificuldades e ele me ajudou. Ele me convidava para andar com ele quando ia realizar as coisas que eu disse não saber fazer. Vendo como ele agia, eu aprendi.

Agradeço a Deus pelo privilégio que tive de conviver com esses homens e mulheres que tiveram paciência e amor para comigo e, com seu exemplo e experiência, me ensinaram a ser um seguidor de Cristo. Hoje vejo muito ensino bom sobre o tema discipulado, mas vejo poucas experiências referenciais que sirvam de modelo ao rebanho. Discutimos muito o que é discipulado, como discipular, quais as melhores estratégias para isso, quais as estratégias mais adequadas à nossa tradição metodista, e às vezes deixamos de discipular, de fazer o que fomos enviados/as a fazer.

Discipular nada mais é do que investir sua vida na vida de outras pessoas, se oferecendo como exemplo para que as outras pessoas, vendo sua vida e exemplo, saibam como vivenciar o Evangelho, andar em intimidade com Jesus Cristo e fazer Sua vontade, cumprindo assim seu papel no Corpo de Cristo. Busque a Cristo; sirva a Ele, ao próximo e à igreja, mas procure aprender com alguém (ser discipulado e discipulada) e ensinar outra pessoa com a sua vida (discipular). Treine outros/as com sua vida. Se dedicando a isso crescerá e ajudará pessoas a crescerem. Discipulado é isto: a arte de crescer com as pessoas.

Escrito por Pr. Emanuel Siqueira | Eleito no 20ºCG e designado como Bispo da 7ª RE
Publicado originalmente no Expositor Cristão de setembro | Acesse e faça download gratuito