2016_07_20cg_leiturapnm

O Plano Nacional Missionário (PNM) foi apresentado aos conciliares na manhã do dia 5 de julho, logo após a celebração que contou com a ministração do Bispo James. Leia mais sobre o culto da manhã aqui.

O Bispo Paulo Lockmann ficou responsável pela apresentação do documento, enquanto o Bispo Luiz Vergílio dirigia a mesa.

Entre outros temas, o PMN fala sobre as bases bíblicas, ênfases e objetivos missionários além da forma como esses temas podem ser aplicados no serviço da igreja.

O Bispo Paulo Lockmann ressaltou a máxima de John Wesley, de que o “Mundo é minha paróquia”, o que nos faz entender que quando a Igreja Metodista chega a um bairro, toda a comunidade é a paróquia do povo chamado metodista.

Antes da leitura do relatório, as diferenças regionais foram mencionadas pelo bispo, que usou a 1° Região Eclesiástica no Estado do Rio de Janeiro como exemplo para essa realidade, onde até os bairros são diferentes uns dos outros.

O Fundamento bíblico do relatório está em Marcos 1: 12-15, e o texto chama a atenção para quatro pontos:

  • “[…] o Espírito o impeliu para o deserto […]”.
  • “[…] esteve no deserto por quarenta 40 dias […]”
  • “[…] foi para a Galileia anunciando o evangelho de Deus […]”.
  • “[…] o tempo está pleno e é chegado o reino de Deus, arrependei-vos e crede no evangelho […]”.

2016_07_20cg_vergilioelockmann“Como biblista eu gosto de dizer que o deserto é um lugar de duplo sentido”, comentou o Bispo ao dizer que o deserto é “o melhor lugar do mundo, pois é onde aprendemos a ser dependentes de Deus”, explicou.

O texto prosseguiu trazendo um questionamento. “Para nós, a ética é premissa indispensável que, infelizmente, está em falta na sociedade e, por vezes, também em muitas Igrejas. O que podemos abordar sobre a ética cristã neste documento?”, pergunta.

Um dos fundamentos missionários do PNM destaca que é preciso anunciar o evangelho, resistir aos movimentos que promovem aquilo que é contrário aos ensinos bíblicos e denunciar os movimentos que promovem a morte, as políticas públicas que atendem interesses de grupos comerciais em detrimento do interesse do povo em geral, especialmente das pessoas empobrecidas.

O Bispo lembrou que é importante termos esse documento, mas não adianta deixa-lo na estante. “A Igreja Metodista é a melhor expressão da fé cristã denominacionalmente falando”, afirmou o bispo na condição de presidente do Concílio Mundial Metodista.

“Quando você sai de casa de manhã, a missão começa”, falou ao afirmar que a IM é uma Igreja em Missão, que acontece efetivamente à luz da Igreja Local. Ele lembrou que metodistas precisam ser de oração, e usou como exemplo a IM da Coréia do Norte que realiza 24 horas de oração todos os dias.

Ao citar a comunicação da Igreja, elogiou o veículo oficial da IM. “O Expositor Cristão voltou a ser um jornal Metodista circulando em todo o país. Esperamos que seja cada vez mais instrumento de inspiração”, disse Lockmann.

Novamente a Escola Dominical foi mencionada no 20CG. “Fui a primeira vez à Escola Dominical no ventre da minha mãe”, afirmou antes de lembrar que em setembro acontece o dia da escola dominical.

Sobre a Ação Social, o Bispo Paulo Lockmann ainda afirmou que somos uma sociedade racista e excludente, falando que isso entristece o coração de Deus, além de dizer que tem mais expectativa na ação missionária da igreja, do que em políticas públicas para amenizar injustiças sociais como essa. Lockmann ainda lembrou do vídeo sobre a Redução da Maioridade Penal que gravou na para a área nacional, e disse que alguns dos retornos que recebeu reproduziam inconscientemente discursos de Hitler.

Você confere a leitura do relatório, e as observações do Bispo Lockmann no vídeo da transmissão ao vivo no nosso canal do YouTube.

Assista também a reportagem em vídeo!

Escrito por Sara de Paula
Repórter EC