2016_08_20cg_pnm

O Plano Nacional Missionário (PNM) foi apresentado aos conciliares na manhã do dia 5 de julho pelo Bispo Paulo de Oliveira Lockmann. Entre outros temas, o PNM destaca as bases bíblicas, ênfases e objetivos missionários, além da forma como esses temas podem ser aplicados no serviço da Igreja. O Bispo Paulo Lockmann ressaltou a máxima de John Wesley de que o “Mundo é minha paróquia”, o que faz entender que quando a Igreja Metodista chega a um bairro, toda a comunidade é a paróquia do povo chamado metodista.

Antes da leitura do relatório, as diferenças regionais foram mencionadas pelo Bispo, que usou a 1ª Região Eclesiástica no Estado do Rio de Janeiro como exemplo para essa realidade, onde até os bairros são diferentes uns dos outros. O texto traz alguns questionamentos, principalmente relacionados à ética. “Para nós, a ética é premissa indispensável que, infelizmente, está em falta na sociedade e, por vezes, também em muitas Igrejas. O que podemos abordar sobre a ética cristã neste documento?”, perguntou o bispo Lockmann. Um dos fundamentos missionários do PNM destaca que é preciso anunciar o evangelho, resistir aos movimentos que promovem aquilo que é contrário aos ensinos bíblicos e denunciar os movimentos que promovem a morte, as políticas públicas que atendem a interesses de grupos comerciais em detrimento do interesse do povo em geral, especialmente das pessoas empobrecidas.

O Bispo lembrou que é importante ter esse documento, mas não adianta deixá-lo na estante. “A Igreja Metodista é a melhor expressão da fé cristã”, afirmou na condição de presidente do Concílio Mundial Metodista. Ao citar a comunicação da Igreja, elogiou o veículo oficial da Igreja Metodista. “O Expositor Cristão voltou a ser um jornal Metodista circulando em todo o país. Esperamos que
seja cada vez mais instrumento de inspiração”, disse o Bispo Lockmann. Sobre a Ação Social, o Bispo Paulo Lockmann ainda afirmou que somos uma sociedade racista e excludente, falando que isso entristece o coração de Deus, além de dizer que tem mais expectativa na ação missionária da Igreja do que em políticas públicas para amenizar injustiças sociais. As discussões, sugestões, propostas e encaminhamentos à plenária do 20º Concílio Geral foram realizados por delegações em salas separadas, após apresentação do PNM pelo Bispo Paulo Lockmann.

O documento final irá nortear a continuidade das ações da Igreja para os próximos cinco anos. Alguns dos temas contidos no Plano para harmonização e desafios para a Igreja são: missão, identidade e confessionalidade; ação missionária; igreja local; experiência religiosa; comunicação; educação cristã e secular e ação social. A redação com toda a harmonização do PNM será disponibilizada futuramente pela Sede Nacional da Igreja Metodista.

Redação EC