O Bispo Paulo Rangel dos Santos Gonçalves é formado em teologia e cursa licenciatura em Ciências Sociais no polo da UMESP, em Petrópolis/RJ. Ele já exerceu o ministério pastoral na cidade do Rio de Janeiro nas igrejas de Vila Isabel, Grajaú, Jardim Botânico e Pilares. Em Nova Friburgo, ele exerceu o maior tempo do seu ministério pastoral, passou por dez anos na Igreja Central. E desde 2010 o Bispo Paulo Rangel é membro da câmara regional de discipulado.

2016_08_20cg_rangelEC: O senhor esperava ser eleito Bispo algum dia?
Bispo Paulo Rangel: É um privilégio poder estar compartilhando o que nós vivemos aqui neste Concílio. Nós viemos com o coração aberto para servir sabendo que havia possibilidade, mas com uma convicção muito clara de que eu ia sair daqui mais comprometido ainda com a missão, independentemente do papel que eu pudesse estar desempenhando.

 

EC: O senhor está bem ciente dos desafios episcopais?
Bispo Paulo Rangel: Temos consciência de que é um ministério muito árduo. Vamos ter que aprender muita coisa, buscar ajuda dos outros bispos/as, buscar ajuda de vários/as irmãos/ãs, pastores/as, mas com a convicção de que se Deus te planta num lugar, ele vai te capacitar. Então, isso eu tenho plena certeza de que alguma coisa Deus irá fazer por nós.

EC: E como que o coração do Bispo ficou na hora da eleição?
Bispo Paulo Rangel: Eu estava muito tranquilo durante o momento da eleição, graças a Deus. Havia algumas pessoas muito próximas que estavam mais tensas que eu, mas eu estava muito tranquilo. O que tivesse que acontecer certamente teria a aprovação de Deus.

EC: E a designação? Como foi ao saber que presidirá a 1ª Região Eclesiástica?
Bispo Paulo Rangel: Sem dúvida alguma recebi com muita alegria, porque a gente já conhece a região. Conhece em parte o trabalho. Claro que não conhece tudo porque o trabalho episcopal é diferente, mas de certa forma eu estou entendendo que Deus me quer neste tempo à frente da 1ª Região e eu vou fazer com temor e tremor.

Como o senhor vai lidar com as pessoas que não concordam com sua visão episcopal?
Bispo Paulo Rangel: Não vamos ter como fugir disso. Trabalhar com pessoas, com vidas exige muito esforço, mas eu acho que o amor supera todas as coisas, todas as diferenças. Creio que é bom que haja diferenças porque a gente converge tudo em um propósito. Não podemos perder a noção e a visão de que vivemos para cumprir um propósito do Reino de Deus para a vida da nossa Igreja Metodista. Deus vai nos dar graça.

Você também pode ouvir a entrevista realizada na edição especial do Giro de Notícias:

Escrito por José Geraldo Magalhães