2016_08_20cg_remne

Uma nova configuração da Região Missionária do Nordeste (REMNE) foi aprovada dia 7 de julho no 20º Concílio Geral da Igreja Metodista, na Escola de Missões, em Teresópolis/RJ. A proposta já havia sido encaminhada ao 19º Concílio Geral, em 2011, para ser uma Região Eclesiástica independente até o ano de 2021. O Pastor Dilson Soares Dias foi a voz da REMNE para os encaminhamentos da proposta. “Há cinco anos nenhum dos estados se sustentava. Hoje, seis deles são sustentáveis e o crescimento na região está acima da média nacional. Temos 15 pontos missionários abertos para alcançar cidades estratégicas: Porto Seguro, Feira de Santana, Maceió, Caruaru e Petrolina. Essa ação abrange um campo com mais de 100 mil habitantes”, disse o pastor.

A delegação reconheceu que o crescimento é resultado do trabalho de muitas pessoas. “Agradecemos o apoio de todas as confederações, em especial à Confederação de homens, que tem ajudado nos projetos”, afirmou o Pastor Dilson, mencionando também o compromisso que todas as Regiões Eclesiásticas tiveram enviando suas ofertas missionárias mesmo depois da desoneração.

Proposta de nova configuração
A REMNE será composta pelos seguintes estados que já são financeiramente sustentáveis: Bahia, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Outro dado apresentado pelo Pastor Dilson é que 53% da membresia da região está em grupo de discipulado. O Campo Missionário da REMNE será composto pelos estados que ainda precisam da ajuda missionária: Alagoas, Ceará e Maranhão. Conforme os estados forem conseguindo autonomia, eles devem passar a compor a Região Missionária do Nordeste. Na nova configuração, 100% dos recursos que antes eram enviados para ação missionária do nordeste do país continuam sendo enviados pelas regiões eclesiásticas à Remne. A Sede Nacional deixará de enviar 50% das doações para a Remne e passará a direcionar o valor para o avanço do novo Campo Missionário.

A proposta ainda explica como as áreas serão administradas
“O/a bispo/a da Remne presidirá o Campo Missionário sem nenhuma despesa a mais para a Área Geral ou Regiões Eclesiásticas, o corpo pastoral tanto da Remne quanto do Campo Missionário fica à disposição do/a bispo/a que o preside para ser nomeado em qualquer dos estados do nordeste, quer da Remne, quer do Campo Missionário. O sustento dos seis estados que comporiam a REMNE ficaria por conta deles mesmos, sem nenhuma dependência financeira das Regiões ou da Área Nacional a partir de 2023”.

Reação da Plenária
Várias pessoas se manifestaram a favor da proposta, uma delas foi o pastor José Pontes Sobrinho, da 4ª Região Eclesiástica, declarando “total apoio à Remne” quando a proposta foi questionada. No entanto, um alto e ressonante “sim” de aprovação tomou conta da plenária, que se levantou para louvar a Deus com palmas. O Bispo Adonias Pereira do Lago pediu que todos permanecessem em pé para orar por esse propósito.

Escrito por José Geraldo Magalhães / Sara de Paula