Ilustração da Rebeca, personagem do Aventureiros em missão

 “Se alguém disser: ‘Amo a Deus’, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (1 João 4.20)

A vida está ameaçada. Dizem os/as biólogos/as que uma espécie viva está desaparecendo do planeta a cada vinte minutos. Em centésimos de segundos, mentes inteligentes podem destruir centenas de seres vivos: basta apertar um botão! Com frequência, mostram as estatísticas, um simples apertar de gatilho interrompe uma vida jovem, com sonhos, paixões, talentos.

A violência nas cidades vitima milhares de pessoas. O respeito à vida e a defesa dela precisam ser disseminados. A vida é um constante milagre. Ver a pele machucada recuperando-se gradativamente é sinal disso. Estamos tão acostumados/as a ver as árvores alimentando os pássaros e insetos que esquecemos, literalmente, de admirar a vida em seu mistério. O milagre se tornou comum: mulheres grávidas em meio à guerra, a grama brotando das frestas do asfalto. Pessoas despertando para mais um dia de esperança e expectativa é o milagre de Deus acontecendo.

Estamos acostumados/as a não enxergar a vida, e tampouco as situações de desrespeito que tiram dela, a dignidade que deveria ter: pessoas sem moradia, alimento, trabalho e todas as desigualdades que nos dividem em categorias.

Nossas crianças precisam ter seu olhar educado a enxergar a vida e seus corações sensibilizados para rejeitar a não vida, a injustiça, o desrespeito aos planos de Deus para a plenitude da vida.
Deus não desistiu de seu projeto original para o mundo e para as pessoas que criou. Pais, mães e educadores/as exercem um papel essencial na caminhada com as crianças, no sentido de direcionar e educar os seus olhares a fim de que os sonhos de Deus tomem concretude.