2016_06_deserto_mulher

Sugestão de leitura: Gênesis 16.1-15 e 21.1-21

Datas como o dia internacional da luta contra a discriminação racial (3/7), o dia internacional de Nelson Mandela (18/7) e o dia internacional da mulher negra latino-americana e caribenha (25/7) nos convocam à celebração, à reflexão e ao engajamento. O metodista, ativista revolucionário e ex-presidente da África do Sul (1994-1999) nos deixou o legado de uma espiritualidade em que fé vital e política devem caminhar juntas.

A propósito, o Mandeladay nos convida à prática das obras de piedade e de misericórdia. Numa releitura de Gênesis 16 e 21, a memória de Hagar quer nos seduzir a pensar o problema da discriminação tanto no privado quanto no público. Vamos conferir?

Hagar em casa

Quando olhamos para dentro da Beit (casa) de Abrão e Sarai, vemos arranjos relacionais potencialmente insalubres.

Fragilidades apresentadas no texto:

• Apesar da naturalização imposta pela cultura da época, se fosse hoje, o Pai da Fé poderia ser acusado de assédio sexual em relação a uma mulher negra, estrangeira e escrava em sua casa.
• As relações de poder: Sarai oferece Hagar sexualmente a Abrão, e Hagar, uma vez grávida, passa a desprezar a Sinhá.
• A relação entre ama e escrava se agrava, o patriarca lava as mãos e a escrava foge da Casa Grande. Mas a pena de quem escreve a narrativa não permite a Hagar organizar um quilombo.
• A vida continua em família entre o Dono Abrão e suas duas mulheres. Ismael cresce e Isac nasce. Na festa do desmame na Casa Grande, Hagar não é bem-vinda. Apesar disso, os meninos se tornam amigos. Mas como em briga de adultos/as as crianças sempre saem perdendo…

Hagar na rua

A exclusão de Hagar e Ismael significou a negação da bênção e do espaço; da vez e da voz; da letra e do pão. Após oferecer à mãe do seu filho um odre de água e um naco de pão, na calada da noite, Abrão os despede sozinhos. Isso é lá pensão alimentícia digna? A propósito, o que os/as negros/as escravizados/as receberam para a sua sobrevivência após a abolição da escravatura em 1888 no Brasil?

Fragilidades das políticas públicas em Abrão:

• No Brasil, as Políticas não são de Estado. São de coronéis, patriarcas. Os recursos destinados para as necessidades gritantes da sociedade têm sido sempre a medida do odre abrâmico, e essa vergonha política mantém a ciranda da miséria, pois a água acaba, assim como o salário mínimo, em tempos de governo Temerário.
• Os impactos sociais de tais políticas são letais e começam gerando um sentimento de impotência nos trabalhadores e trabalhadoras. Sem recursos, Hagar se nega a ver o filho morrer de fome; vira-se e chora um luto antecipado. Quem são os/as responsáveis pela morte das pessoas negras no Brasil?

Considerações finais

Que neste mês as nossas instituições de ensino, pastorais universitárias e igrejas locais retornem à leitura bíblica, descobrindo a vida na Bíblia, para aplicar a Bíblia na vida e cumprir a vontade do Deus da Vida! Gn 16.1-15 e 21.1-21 Hagar não tinha ninguém por ela a não ser um anjo de Deus. A propósito, as nossas igrejas têm sido anjos?

Pontos fortes do texto lido:

• Deus não abandona o que o homem abandonou: Logo, a Igreja é convidada a participar da missão de Deus no resgate da dignidade das pessoas.
• Deus abre os olhos de Hagar e salva o seu filho: A ignorância da existência do mal da discriminação é a causa de sua manutenção.
• Hagar é levantada, erguida. Há muitas mulheres prostradas, encurvadas e obliteradas precisando de uma ação de Graça. As Palavras Sagradas não devem servir para oprimir ninguém.

 

Escrito por José Roberto Alves Loiola | Pastor Metodista no Recanto das Emas/DF