2016_07_sozinho_individualismo

Hoje vivemos em uma sociedade individualista, e isso tem afetado a nossa vida cristã e nossas igrejas locais. A cultura do individualismo está entrando muito sorrateiramente e tem destruído as nossas relações como comunidade. Sem saber, aprendemos uma maneira de viver que molda a nossa maneira de pensar e de nos relacionarmos. No mundo ocidental, nascemos envoltos/ as em uma cultura do individualismo. É uma filosofia que diz: “Eu posso dar conta sozinho/a”, “Eu posso fazer sem ajuda de ninguém”, “Eu não preciso da ajuda de ninguém”.

O mundo ocidental admira aqueles/as que enfrentam momentos difíceis sozinhos/as e chegam ao topo. Nós admiramos o/a herói/ína solitário/a. Vemos isso no Cavaleiro Solitário, Superman e em tantos/ as outros/as que lutam contra o mal sozinho/a. Hoje, mais do que nunca, vivemos a cultura do individualismo. Os aparelhos eletrônicos estão contribuindo, e muito, para isso. Estudos mostram que aparelhos como televisão, computador, celular e outros têm feito as pessoas se isolarem dentro da própria casa. A verdade é que o mundo a cada dia está se tornando individualista e descaracterizando o princípio cristão da comunhão. As pessoas estão a cada dia mais e mais sendo levadas ao isolamento e se preocupando somente com a sua própria vida.

As igrejas são compostas das mesmas pessoas que vivem na sociedade. As igrejas, como a própria sociedade, tornaram-se cada vez mais impessoais. A comunhão que era o centro da vida cristã no início do cristianismo (Atos 2.42-47) já não tem tanta relevância nos dias de hoje. Como cristão/ã, nos encontramos dentro dos nossos prédios uma ou duas vezes por semana, em um relacionamento raso, e não temos mais o convívio de estar juntos, comer e participar da vida do outro.

A verdade é que nos tornamos individualistas demais. Estamos sendo moldados/as com o princípio do mundo e não de Deus. Mas o apóstolo Paulo alertou os/as cristãos/ãs de Roma, e os/as de hoje também, para não se conformarem ou serem moldados/as segundo o padrão deste mundo (Romanos 12.2). O mundo está constantemente tentando nos modelar de acordo com o seu padrão, e a Palavra de Deus nos diz que precisamos resistir a essa conformidade.

Vivendo o princípio de Deus

 

Deus deseja que tenhamos comunhão com Ele e uns com os outros. Comunidade tem a ver com o povo de Deus trabalhando junto, comendo junto, servindo junto e aprendendo junto.

Somos sociais, e nosso Criador colocou dentro de nós uma necessidade de relacionamento. Não é suficiente somente ouvir o que vem do púlpito, ler o conteúdo na Bíblia, realizar devocionais diárias. É preciso experimentar o conhecimento em comunidade. E isso chamamos de discipulado. Se desejamos viver um relacionamento real, precisamos ser discípulos/as. A palavra “discípulo/a” significa simplesmente aluno/a ou aprendiz. Nos tempos antigos, os/ as alunos/as ou seguidores/as de um/a mestre/a eram chamados/as de discípulos/as.

No mundo grego, os/as filósofos/ as eram cercados/as por seus/ as alunos/as. Os/As judeus/ias alegavam serem discípulos/ as de Moisés (João 9.28), e os/ as seguidores/as de João Batista eram conhecidos/as como seus/as discípulos/as (Marcos 2.18, João 1.35). Jesus também tinha um grupo de discípulos/ as (Lucas 6.17, 19.37). A igreja primitiva nasceu nesse movimento do Espírito, e nós, metodistas, também, na Inglaterra. Hoje, mais do que nunca, precisamos voltar à prática da comunhão e do ensino em grupos. Que o Espírito do Senhor sopre sobre nós e nos encha com o espírito relacional.

Pr. Alexandre Crisostomo | Membro da Câmara Nacional de Discipulado