Vigília na Avenida Paulista, São Paulo, em homenagem aos mortos no massacre da boate Pulse. Foto: Elaine Patricia Cruz/Agência Brasil

Vigília na Avenida Paulista, São Paulo, em homenagem aos mortos no massacre da boate Pulse.
Foto: Elaine Patricia Cruz/Agência Brasil

O ataque aconteceu na madrugada de ontem, 12, dentro da Boate Pulse, voltada para o público LGBT em Orlando, Flórida (EUA). O atirador entrou no local e disparou tiros contra os presentes, deixando 50 mortos e cerca de 53 feridos segundo as autoridade americanas. Até o momento, há vítimas que ainda não foram identificadas.

 

A Boate Pulse estava ocupado por cerca de 320 pessoas quando Omar Mateen, de 29 anos cometeu o atentado. Mateen foi morto após trocar tiros com policiais.

 

O atirador era norte-americado, de origem muçulmana. O FBI ainda investiga se o atendado está ligado à grupos terroristas. Esse é o maior ataque com arma de fogo da história no pais, considerando o número de vítimas.

 

A Igreja Metodista se manifestou em seu site oficial, apoiando o posicionamento da Igreja Metodista da Flórida. “Convocamos o povo chamado metodista em terras brasileiras, a orarem e se posicionarem contra todo tipo de violência, revelando o amor de Deus em tudo”, informa parte do texto. Acesse aqui.

 

Igreja Metodista da Flórida

 

Bispo Kenneth Carter Jr.

Bispo Kenneth Carter Jr. Foto cedida pelo conselho de Bispos para UMC.org

O Bispo Kenneth Carter Jr., da Flórida,  pede para que as igrejas da região compartilhem o amor incondicional de Deus nesse momento. “Hoje eu estou conclamando clérigos e leigos que vão liderar a adoração em nossas igrejas em Orlando. Que vocês possam anunciar o amor incondicional de Deus por todas as pessoas, e o desejo de Deus pela não violência por meio de Jesus Cristo, que é a nossa paz”, afirma o texto emitido pelo Bispo. Antes da tragédia, a Igreja Metodista Unida da Flórida já havia planejado receber entre os dias 16 e 18 sua conferência anual, por isso a nota também sugere que o assunto seja discutido na ocasião. 

 

“Espero que possamos descobrir maneiras criativas, pastorais e cheias de graça de testemunhar a todos – incluindo lésbicas, gays, bissexuais e transexuais – que, juntos, são filhos amados de Deus”, informa a mensagem de Carter, que também acredita na Igreja como responsável por oferecer uma expressão de paz, cura e solidariedade com a comunidade de Orlando nesse momento tão delicado.

 

Leia a nota completa em inglês no site da United Methodist Church.

 

O Brasil se manifesta

 

Além de milhares de mensagens de apoio que circulam na internet desde ontem, as autoridades brasileiras também se manifestaram em solidariedade às vítimas do ataque. A nota oficial do Itamaraty, diz que o governo brasileiro recebeu com profunda consternação e indignação a notícia do ataque à casa noturna em Orlando, Flórida, e que o Consulado-Geral do Brasil em Miami está em estreito contato com as autoridades locais e com a comunidade brasileira em Orlando.

 

O texto também informa que até o momento, não há notícia de brasileiros entre as pessoas vitimadas pelo ataque. “O governo brasileiro reafirma seu mais firme repúdio a todo e qualquer ato de terrorismo. Nenhuma motivação, nenhum argumento justifica o recurso a semelhante barbárie assassina”, afirma a nota emitida ontem.

 

A presidente Dilma Rousseff também se manifestou em suas redes sociais. “Estamos vivendo momentos terríveis, tempos de preconceito e intolerância que ceifam vidas humanas. Vamos juntos lutar contra esta barbárie”, afirma parte da nota que também transmite solidariedade às famílias das vítimas, ao presidente Barack Obama e ao povo dos Estados Unidos.

 

Na madrugada de hoje, também aconteceu a Vigília pelas Vítimas de LGBTfobia, convocada pelas redes sociais, na Avenida Paulista (foto no topo).

 

Escrito por Sara de Paula
Com informações da UMC

Comentários