On 18-19 January 2016, some 80 leaders of governments, UN agencies, faith-related as well as non-religious civil society organizations from countries affected by the current refugee crisis in Europe, Middle East, and Africa met at a conference hosted by the World Council of Churches (WCC) in partnership with the United Nations ChildrenâÂÂs Fund (UNICEF), the United Nations Fund for Population (UNFPA), and the UN Refugee Agency (UNHCR) to discern how they can proactively influence and shape coordinated collective practical responses. The opening keynote was delivered by the German Minister of the Interior, Dr Thomas de Maizière, with responses by UNHCR Assistant High Commissioner for Protection Volker Türk, Greek Ambassador to UN H.E. Mr Alexandros Alexandris, and Archbishop Dr Antje Jackelén of the Church of Sweden. To learn more, please visit: http://www.oikoumene.org/en/press-centre/events/wcc-un-high-level-conference-refugee-crisis-in-europe

Em 23 de março, o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Rev. Dr. Olav Fykse Tveit, externou sua preocupação em relação às atuais turbulências sociais e políticas no Brasil, exortando as igrejas cristãs e todos os setores da sociedade brasileira “a defenderem os princípios democráticos, respeitarem os direitos humanos fundamentais e assegurarem a liberdade de expressão e opinião a todos/as”.

Tveit sublinhou a necessidade de “respeito à dignidade humana e ao Estado de direito a fim de evitar o incitamento à violência através de discursos de ódio”. Ele também afirmou que “é importante que casos suspeitos de corrupção sejam totalmente investigados, respeitando os direitos constitucionais das pessoas sob investigação”, disse Tveit.

O CMI tem tido envolvimento significativo na abordagem de questões ligadas aos direitos humanos e à democracia no Brasil. Tveit acrescentou que “a futura estabilidade democrática no Brasil é muito importante para todos os grupos de cidadãos/ãs no país, mas também para a América Latina como um todo”.

Tveit exortou as igrejas no Brasil a “orarem pelo país, promoverem o respeito ao Estado de direito e serem embaixadoras da reconciliação em nome do Senhor Jesus Cristo”.

Escrito por: Redação EC
Publicado originalmente no Jornal Expositor Cristão de abril.