2016_04_discipulado_grupo

Os evangelhos, exaustivamente, apresentam Jesus ao lado daqueles/as que Ele mesmo escolheu e chamou de discípulos/as, termo que significa aprendiz, pupilo/a ou aluno/a. O ensino de Jesus não acontecia dentro de uma sala de aula, não que isso não tenha a sua importância, mas sim na convivência diária com aqueles/as que andavam com Ele. Através de sua vida e testemunho pessoal, seu ensino era prático e transformador, ia além das estruturas eclesiológicas, era pautado na transmissão de vida, buscava gerar mudança de mente e caráter.

É certo que Jesus, algumas vezes, ensinava nas sinagogas e ao ar livre, mas a sua principal “sala de aula” eram as experiências do dia a dia junto com seus/as discípulos/as. Através do seu estilo de vida compromissado com a salvação do mundo e a proximidade relacional com os/as seus/as discípulos/as, os princípios do reino de Deus eram transmitidos àqueles/as homens/mulheres com a intenção de que eles/as transmitissem a outros/as; conceito que o apóstolo Paulo registrou na segunda carta a Timóteo (2Tm 2.2).

Ciente e convicto de que o discipulado é essencialmente a forma que Jesus Cristo nos deixou para avançarmos na ação salvadora do mundo; como pastor local, muito me alegro pelas experiências que vivemos atualmente na Igreja Metodista Central em Campo Grande/MS.

Nossa escola dominical tem sido um espaço de formação. Por meio dos cursos de liderança, finanças à maneira de Deus, relacionamento conjugal, educação de filhos/as, conhecimento bíblico e missões, capacitamos nossos membros a fim de atuarem no mundo como discípulos/as de Jesus Cristo.

Os ensinamentos em sala de aula correspondem apenas a uma etapa da formação. A mais importante e eficaz acontece durante a semana nas células e na convivência entre os/as seus/as integrantes em vários outros momentos. Durante o processo, o/a mais amadurecido/a na fé ajuda o/a mais novo/a a guardar os ensinamentos aprendidos e como colocá-los em prática, atuando no mundo, levando salvação.

A partir dos ensinamentos e treinamentos intencionais, a igreja local abraçou, na prática, a “grande comissão”, além de entender a importância de cuidar das pessoas que são alcançadas pelo evangelho. Pelo crescimento e maturidade que o discipulado nos proporcionou, foi possível colocarmos em prática, no mês de março, a experiência do envio dos setenta discípulos narrado em Lucas 10.1-20.

Por meio do projeto Casas de Paz, enviamos duplas de semeadores/as da paz a cem famílias, dessa forma, aproximadamente quinhentas pessoas estão ouvindo a mensagem da salvação e paz. Os frutos dessa ação são confirmados pelos testemunhos de salvação, cura e libertação que estão acontecendo, o mais significativo é que grande parte das duplas de semeadores/as é formada por discípulos/as com menos de dois anos de convertidos/as que já estão gerando frutos no Senhor.

Ao ver a igreja reproduzir experiências como as registradas no Novo Testamento, podemos afirmar que estamos levando a salvação através do discipulado! E nos alegramos por ter o nosso nome e de muitos outros escritos no Livro da Vida!

Escrito por: Pastor Ubiratan Silva | Membro da Câmara Nacional do Discipulado