2016_04_robson_Consad

Vários segmentos da Igreja estão em fase de preparação dos relatórios para o 20º Concílio Geral. O Conselho Superior de Administração das Instituições Metodistas (Consad), que é também a instância nomeada pela Assembleia Geral para dirigir as instituições subordinadas à Administração Superior da Igreja, destaca a evolução da situação econômico-financeira nos últimos quatro anos.

A receita de ensino, segundo o relatório do Consad, que chegou a pouco mais de R$ 521 milhões em 2011, ultrapassou os R$ 641 milhões até o final do ano passado. O valor real da dívida não foi divulgado. “Ainda estamos em fase de auditoria para publicação dos balanços de 2015, mas podemos afirmar que a dívida bancária total equivale aproximadamente a duas vezes os resultados operacionais de 2015”, garante o diretor-geral da Rede, Robson Ramos de Aguiar.

Segundo Aguiar, medidas estão sendo tomadas para equilibrar o financeiro sem ser preciso vender nenhum bem. “Nos últimos anos, foi realizado um amplo diagnóstico da situação, o que apontou necessidades profundas de reorganização, explicitou desafios financeiros antes desconhecidos da Igreja e apontou as possibilidades para o enfrentamento da situação. Vender algum patrimônio está fora de cogitação. Voltamos a afirmar que a Educação é parte da missão metodista”, disse.

Várias medidas estão sendo tomadas pela gestão da rede para otimização de custos. “Já está em andamento a revisão de todos os contratos com fornecedores/as e negociações para o alongamento de dívida; a revisão do portfólio de cursos, a busca de parcerias e o desenvolvimento de novas formas de apoiar alunos/as a se matricularem e permanecerem matriculados/as. O objetivo principal é garantir o equilíbrio operacional e que novos aportes financeiros sejam sempre no sentido de fortalecer a saúde institucional por meio da mudança do perfil da dívida ou para investimentos em expansão e qualificação da oferta”, destacou o diretor-geral.

Outras ações, por exemplo, um programa de Trainees, que selecione jovens membros da Igreja Metodista para funções administrativas estratégicas nas instituições educacionais metodistas, está em fase de implementação, além da criação de um banco de doutores/as, membros da Igreja Metodista, para futuras necessidades na área acadêmica das instituições educacionais metodistas também estão em andamento.

Cenário político e econômico

Há uma instabilidade muito grande no atual cenário político e econômico no país, há vários desafios em diversos setores da sociedade. Na área educacional metodista, há um esforço do Consad para garantir o equilíbrio operacional para investir em projetos de aprendizagem, gerando oportunidades de interação, colaboração e formação docente, além de melhorar os resultados alcançados nas avaliações externas, tais como ENEM, ENADE e outros.

A principal mudança para melhorar a situação econômico-financeira da rede, segundo Aguiar, é o “acompanhamento diário do fluxo de caixa” – instrumento que facilita a gestão financeira de uma empresa no sentido de saber exatamente qual o valor a pagar com as obrigações assumidas, quais os valores a receber e qual será o saldo disponível naquele momento. Essa mudança “permite avaliar diuturnamente como está a caminhada e realizar os ajustes necessários antes dos períodos de fechamento contábil. Essa transparência que o fluxo de caixa nos traz tem permitido verificar onde é mais urgente realizar mudanças e tomar decisões sem nenhum viés subjetivo”, finalizou Aguiar.

Também está em fase de desenvolvimento um painel de indicadores acadêmicos que permitirá avaliar a situação de cada instituição, o agir educacional, e comparar com as melhores práticas do segmento, dentro e fora da rede.

São sete Instituições de Educação Superior (IES) diretamente administradas como parte da Rede Metodista de Educação, incluindo duas universidades (Umesp e Unimep), dois centros universitários (IPA e Izabela Hendrix) e três faculdades (Faculdade Metodista de Santa Maria – Fames, Faculdade Metodista Granbery e Faculdade Metodista de Birigui).

No Brasil, existem 195 universidades, o que equivale a 8,2% do total de IES, que concentram 53,2% das matrículas em cursos de graduação. As faculdades são 83,9% das IES brasileiras, porém, nessa organização acadêmica estão matriculados/as apenas 28,6% dos/as estudantes.

Cenário educacional brasileiro

2016_04_CE_RobsonDe acordo com o relatório da organização, o país atravessou profundas mudanças no cenário da Educação desde 2011. Na Educação Básica, por exemplo, o número de estudantes matriculados/as em escolas particulares e comunitárias aumentou, chegando a 18,3% das matrículas em 2014, com 9.090.781 de alunos/as.

Em 2008, as escolas particulares e comunitárias tinham participação de 13,3% nas matrículas. Em seis anos, a rede aumentou gradativamente sua participação, tendo atingido 16,5% em 2012. As matrículas contemplam alunos/as registrados/as em creches, pré-escolas, escolas de ensino fundamental e médio.

O documento do Consad aponta ainda que, ao todo, o Brasil alcançou quase 50 milhões de alunos/as (49,8 milhões) matriculados/as em instituições de ensino básico e educação infantil em 2014. O número total tem caído ao longo dos anos: em 2008, eram 53,2 milhões e, em 2013, chegaram a 50 milhões. A redução é uma tendência que já vinha sendo esperada por analistas da área e acontece em decorrência da queda na taxa de natalidade no país.

Em 2014, as Instituições de Educação Superior privadas e comunitárias chegaram à participação de 74,9% (5.867.011) no total de matrículas de graduação. O crescimento do número de matrículas foi de 7,1% de 2013 para 2014, sendo 1,5% na rede pública e 9,2% na rede privada.

O Consad aprovou, em 2014, o projeto de requalificação e posicionamento estratégico pa­ra os 14 colégios sob a gestão direta do Instituto Metodista de Serviços Educacionais (Cogeime), o que foi homologado pela Coordenação Geral de Ação Missionária (Cogeam) e pelo Colégio Episcopal.

Você pode conferir a entrevista completa com o diretor-geral da Rede Metodista de Educação no site nacional da Igreja Metodista em www.metodista.org.br.

Escrito por: José Geraldo Magalhães